Publicidade
Acompanhe:
Notícias | Região Alerta

Metade da população de pessoas com diabete não sabe que tem a doença

Mais de 13 milhões de pessoas vivem com a doença no País, conforme a Sociedade Brasileira de Diabetes

Por Bianca Dilly
Última atualização: 14.11.2019 às 07:41

Há dois anos, o aumento no nível da glicose assustou Fotczmanski, que mudou hábitos de vida para cuidar da saúde Foto: Inézio Machado/GES
De uma hora para outra, o motorista por aplicativo Alfredo Fotczmanski, 55 anos, começou a sentir um forte mal-estar. A visão chegou a ficar tão turva que ele não enxergava mais nada à frente. Imaginou que fosse alguma alteração na pressão arterial, até porque já tomava medicação para isso. Porém, a medição não apresentava anormalidades.

Foi quando um médico indicou que ele fizesse o exame de glicose. Era diabete. "Descobri que estava em 315. Levei um susto. Aí ganhei um tratamento bem forte para fazer", comenta, lembrando que a situação ocorreu há cerca de dois anos. Assim como Fotczmanski metade da população de pessoas com a doença não sabe que tem diabete, segundo a Federação Internacional de Diabetes (IDF).

Já para o comerciante Paulo Nunes Monteiro, 67, a convivência com a doença vem de mais tempo. "Descobri quando eu tinha 38 anos. Acabei desmaiando no trabalho. A minha diabete é do tipo 2, hereditária", explica. Depois disso, a vida de ambos mudou. "Faço o teste de glicose três vezes por dia, para ver se preciso fazer a insulina. O doce foi excluído do meu cardápio, assim como outras coisas, como arroz e café", diz Paulo.

Para Fotczmanski, olhar para a saúde se tornou mais cuidadoso. "Comecei a cuidar muito na alimentação. Cortei massas, açúcar, refrigerantes... Além disso, junto com os exercícios físicos, consegui controlar a diabete", diz.

Estilo de vida preocupa

Assim como os dois, há mais de 13 milhões de brasileiros vivendo com a diabete, conforme a Sociedade Brasileira de Diabetes. Para alertar, hoje é lembrado o Dia Mundial da Diabetes. Até 2045, a estimativa da IDF é de que o número chegue a 23 milhões.

Os que mais crescem são os casos relacionados ao tipo 2 da doença. "Além dos fatores genéticos, está completamente ligado ao estilo de vida das pessoas, que piorou no País e no mundo inteiro. Comer mais do que se deve, ser sedentário e consumir alimentos ultraprocessados, como congelados e fast-foods, estão entre os principais problemas", destaca a endocrinologista e metabologista Bruna Nogueira Würdig.

Para a médica, a prevenção vai praticamente no caminho oposto. "É o que indicamos para todo mundo: praticar 150 minutos por semana de atividade física moderada, ter boa alimentação", frisa.

Política Nacional

Há cerca de duas semanas foi sancionada a lei 13.895, de 2019, que institui a Política Nacional de Prevenção do Diabetes e de Assistência Integral à Pessoa Diabética. Questões como a realização de campanhas de conscientização sobre a importância da medição regular de glicose e o investimento em desenvolvimento científico e tecnológico com foco em métodos de tratamento e cuidados para o não desenvolvimento da doença fazem parte da nova legislação.

"Em matéria de prevenção, é uma ação bem inovadora. Sempre se foca muito na cura de sequelas, por exemplo, e há pouca prevenção. Além disso, investir na saúde básica traz mais retorno", avalia a presidente da Associação Riograndense de Apoio ao Diabético (Arad) de Novo Hamburgo, Rosana Blankenheim.

 

Os tipos mais comuns: 1 e 2

O tipo 1 atinge crianças, adolescentes e jovens adultos, com causa desconhecida. O 2 está relacionado ao histórico familiar e à obesidade.

Eventos para prevenir e conscientizar a população

Dois eventos gratuitos ocorrem em Novo Hamburgo na próxima semana, relacionados com o Novembro Azul, que também é o mês de prevenção da diabete. No dia 22, ocorre o Dia D da saúde do homem, com a disponibilização de 300 testes de glicose para toda a comunidade. Será das 14 às 17 horas, na Praça Punta del Este. Já no dia seguinte, 23, o Espaço Cultural Albano Hartz recebe a roda de conversa "Descomplicando o diabetes tipo 1", das 9 às 11 horas. É necessário se inscrever através do link bit.ly/debatediabete

Mais praticidade no seu dia a dia: clique aqui para receber gratuitamente notícias diretamente em seu e-mail!

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.