Publicidade
Acompanhe:
Notícias | Região Saúde

Região tem quatro novos casos de sarampo

Adolescente e bebê em Gravataí e dois bebês em Cachoeirinha contraíram a doença que terá campanha de vacinação a partir desta segunda

Por Diléa Fronza
Última atualização: 07.10.2019 às 12:23

Mobilização para a vacinação de menores de 5 anos sem registro na caderneta começa nesta segunda Foto: Arquivo/SES
Na última semana, mais quatro casos de sarampo foram confirmados no Rio Grande do Sul. Todos na região do Vale do Gravataí. De acordo com a Secretaria Estadual da Saúde, dois foram registrados em Cachoeirinha, ambos em bebês de 3 e 9 meses. Os outros dois foram em Gravataí, onde a doença foi diagnosticada em uma criança de 8 meses e uma adolescente de 18 anos. A origem dos casos está em investigação. Nenhum deles apresentava histórico de viagem para fora do Estado. Os demais casos foram confirmados em Porto Alegre (oito casos) e um em Dois Irmãos.

No ano, já são 13 casos no Estado. Nesta segunda-feira (7) inicia nacionalmente uma campanha de vacinação para crianças de 6 meses a menores de 5 anos que não estejam com a caderneta em dia. A estratégia ocorre até o dia 25. O Dia D será em 19 de outubro, sábado, com a abertura extraordinária dos postos. Ao todo, já são 5,4 mil casos registrados no país neste ano, com mais de 95% dos casos no Estado de São Paulo.

Pacientes não eram vacinados

Nos dois casos de Gravataí, não há a informação de que os pacientes haviam sido vacinados. "No caso da criança, o protocolo do Ministério da Saúde é que a vacina seja aplicada a partir de um ano de idade. Houve uma mudança recente, para que os bebês sejam vacinados aos 6 meses em função do aumento de casos pelo país, mas a criança que contraiu a doença não havia sido vacinada. Já no caso do adolescente, os pais não sabiam dizer se ele foi imunizado na infância", explica o secretário da Saúde de Gravataí, Jean Torman.

Diante dos casos, a Secretaria Municipal da Saúde fez todos os protocolos orientados tanto pela Secretaria Estadual da Saúde como pelo Ministério da Saúde. "Foi realizado o isolamento das famílias, monitoramento da situação, verificamos a saúde dos familiares e pessoas próximas que tiveram contato no período de incubação da infecção", acrescenta.

A reportagem procurou o secretário da Saúde de Cachoeirinha Paulo Abrão, mas, até o fechamento desta reportagem, ele não retornou as ligações.

Campanha começa nesta segunda

A partir de segunda-feira (7), o Brasil inicia nova Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo em todos os postos de saúde, com foco em dois grupos. O primeiro vai de 7 a 25 de outubro e irá imunizar crianças de 6 meses a menores de 5 anos de idade, com o dia D de vacinação no dia 19 de outubro. Já o segundo grupo, previsto para iniciar no dia 18 e novembro, será direcionado para adultos na faixa-etária de 20 a 29 anos que não estão com a caderneta de vacinação em dia. A meta é vacinar 2,6 milhões crianças na faixa prioritária e 13,6 milhões adultos. Para isso, o Ministério da Saúde garantiu a maior compra de vacinas contra o sarampo dos últimos 10 anos. Ao todo, 60,2 milhões de doses da tríplice viral foram adquiridas para garantir o combate à doença nos municípios.

É preciso vacinar

O secretário da Saúde de Gravataí chama a atenção para a importância da vacinação. "Criou-se um mito vindo através das redes sociais e da Internet de que vacinar não é importante, ou não é mais necessário. Pelo contrário. É preciso garantir a proteção que só as vacinas dão. Do contrário, doenças que já não existiam começam a voltar, como é o caso do sarampo", diz Jean.

Torman lembra que há alguns anos, com a chegada da vacinação do HPV, conseguiu-se atingir um público que já não frequentava os postos de saúde como os adolescentes. "Com esta vacinas, pudemos observar as carteiras de vacinação e atualizar aquilo que foi preciso. Porém, os adultos também precisam estar atentos. Manter a carteira de vacinas atualizadas é fundamental em todas as idades", conclui.

O sarampo no Brasil

Nos últimos 90 dias, de acordo com o Ministério da Saúde, o Brasil registrou 5.404 casos confirmados de sarampo. Dos casos confirmados nesse período, 97% (5.228) estão concentrados em 173 municípios do estado de São Paulo, principalmente na região metropolitana. Os outros 176 casos foram registrados em 18 estados, entre eles o Rio Grande do Sul.

Foram confirmados seis óbitos por sarampo no Brasil, sendo cinco em São Paulo e um em Pernambuco. Quatro óbitos ocorreram em menores de 1 ano de idade e dois em adultos com 31 e 42 anos. No Estado são três casos confirmados em menores de um ano, quatro entre 15 e 19 anos, três entre 20 e 29 anos, dois 30 e 39 anos e um caso em pessoa maior de 50 anos.

A doença

Sarampo é uma doença infecciosa grave, causada por um vírus. Sua transmissão ocorre quando o doente tosse, fala, espirra ou respira próximo de outras pessoas. Qualquer indivíduo que apresentar febre e manchas no corpo (exantemas) acompanhado de tosse, coriza ou conjuntivite deve procurar os serviços de saúde para investigação, principalmente aqueles que estiveram nos 30 dias anteriores em viagem a locais com circulação do vírus. Casos suspeitos devem ser informados imediatamente às secretarias municipais de saúde ou para o Disque Vigilância, por intermédio do número 150.

A mais efetiva forma de prevenção é a vacinação. Para ser considerada vacinada, a pessoa precisa ter o registro em caderneta de vacinação conforme esquema vacinal. A rede pública de saúde disponibiliza gratuitamente vacinas com componente sarampo (Dupla Viral/Tríplice Viral/ Tetra Viral) à população de 6 meses a 49 anos de idade e para profissionais de saúde e demais pessoas envolvidas na assistência à saúde hospitalar.

São consideradas vacinadas:

– Pessoas de 12 meses a 29 anos que comprovem duas doses de vacina com componente sarampo;
– Pessoas de 30 a 49 anos que comprovem uma dose de vacina com componente sarampo;
– Profissionais de saúde, independentemente da idade, que comprovem duas doses de vacina tríplice viral.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.