Publicidade
Notícias | Especial Coronavírus Use máscara

Virologista explica por que ainda é preciso usar máscara e manter cuidados contra a Covid

Passados 15 meses desde que a OMS declarou a pandemia do coronavírus, mais de 3,77 milhões de pessoas já morreram. Só no Brasil, foram quase meio milhão de vítimas

Por Jauri Belmonte
Publicado em: 11.06.2021 às 13:32 Última atualização: 11.06.2021 às 13:34

Fernando Spilki, virologista e professor da Universidade Feevale, além de coordenador do Laboratório de Microbiologia Molecular da instituição Foto: Universidade Feevale/Divulgação

Já se passaram 15 meses desde que a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou pandemia de Covid-19, em 11 de março de 2020. De lá pra cá, mais de 3,76 milhões de pessoas perderam a vida para o coronavirus, sendo quase meio milhão de óbitos somente no Brasil. Entretanto, ainda é necessário reforçar medidas óbvias de prevenção, como a higienização das mãos, o distanciamento social e o uso de máscara.

Nesta quinta-feira, um posicionamento do presidente da República, Jair Bolsonaro, causou polêmica entre médicos, especialistas e pesquisadores. Bolsonaro, que nunca defendeu o uso da máscara, disse ter conversado com o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, para que seja preparado um parecer desobrigando pessoas vacinadas ou que já tenham sido contaminadas a usarem máscaras.

Leia todas as notícias sobre a pandemia 

Para o virologista e professor da Universidade Feevale Fernando Spilki, que também é coordenador do Laboratório de Microbiologia Molecular da instituição, as máscaras são fundamentais para a proteção contra o coronavírus, que é transmitido pelo ar. "Enquanto não houver cobertura vacinal ampla, não há como suspender o uso de máscaras", explica.

As vacinas, que ainda vêm sendo aplicadas em processo lento, têm boa eficácia, especialmente para evitar casos mais graves. Mas de acordo com o virologista não evitam a infecção, nem que a pessoa transmita o vírus. "Nos Estados Unidos, nós vemos a retirada de máscaras. Mas isso me parece prematuro no contexto atual."

O país norte-americano tem cerca de 142 milhões de pessoas totalmente vacinadas, o que corresponde a 43,1% da população. Já o Brasil tem 23,5 milhões de pessoas imunizadas com a segunda dose, número que representa 11,1% da população.

Uso de máscara até quando?

Para Spilki, aqui no Brasil só poderá se pensar em parar de usar máscara quando a cobertura vacinal for ampla. "O marcador é esse: mais de 70% da população vacinada", explica.

A vacinação precisa ser completa, com as duas doses, para evitar o risco de novas variantes. "As variantes agravam o quadro, pois há uma perda significativa de eficácia para a primeira dose, obrigando a necessidade da segunda", reforça.

Para frear novas variantes do coronavírus é necessário quatro regras básicas: vacina, higiene, uso de máscara e proibição de aglomerações.

Colaboração e bom senso entre população e governantes também pode agilizar o processo de combate à pandemia. "Os gestores públicos devem ser sempre os primeiros a liderar iniciativas que promovam prevenção e conscientização. Seja, por exemplo, tomando medidas baseadas no conhecimento e na precaução."

Máscaras ideais para proteção

Sobre os tipos ideias de máscaras para proteção contra Covid, Spilki diz que há algumas que são mais eficazes para pessoas mais vulneráveis. "As máscaras PFF2 e N95 são as mais recomendadas. Em segundo lugar, as máscaras cirúrgicas com camada tripla", conta.

O pesquisador diz, também, que além desses modelos as pessoas precisam buscar máscaras de tecidos mais fechados. "É necessário ficar atento para a melhor adequação possível da máscara ao contorno do rosto."

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.