Publicidade
Notícias | Especial Coronavírus Quarta semana no vermelho

São Leopoldo, Sapucaia, Esteio, Portão e Capela de Santana seguem na bandeira vermelha

Municípios da região devem permanecer até 20 de julho na classificação de risco alto, conforme Modelo de Distanciamento Controlado do Estado

Por Jean Peixoto
Última atualização: 10.07.2020 às 20:28

Região se mantém, pela quarta semana consecutiva, na bandeira vermelha Foto: SES/Reprodução
Pela quarta semana consecutiva, os municípios da região de Novo Hamburgo (7), à qual pertencem São Leopoldo e Portão, e da região de Canoas (8), que comporta Sapucaia do Sul, Esteio e Capela de Santana, foram classificados na bandeira vermelha do Modelo de Distanciamento Controlado do Estado. Com a atualização dos dados, divulgada nesta sexta-feira (10), pela Secretaria Estadual da Saúde (SES), o Rio Grande do Sul passou a contar com nove regiões em bandeira vermelha.

CONTEÚDO ABERTO | Leia todas as notícias sobre coronavírus

A classificação desta décima rodada preliminar é válida até o dia 20 de julho. Devido à reincidência na bandeira vermelha, as regiões 7 e 8 precisam preencher positivamente os requisitos do Estado por duas rodadas consecutivas para que ocorra a progressão a uma bandeira menos restritiva. Ainda que estivessem com mensuração de bandeira de menor risco, amarela ou laranja, as regiões teriam que cumprir as medidas da vermelha, devido à aplicação da trava de segurança – duas semanas consecutivas na vermelha.

"julho deve ser pior"

Sem perspectiva de melhora nos indicadores do município para o mês de julho, o prefeito de Sapucaia do Sul, Luis Rogério Link, comenta que a permanência na bandeira vermelha já era prevista. “Aqui em Sapucaia, o Hospital passou a semana com 100% de lotação, tanto dos leitos clínicos quanto os de UTI. Em julho a tendência é piorar e agosto também, devido ao aumento de casos de Covid-19 e outras SRAG (Síndrome Respiratória Aguda Grave)”, destaca.

Para inibir o avanço da pandemia, Link ressalta que o fechamento total do comércio não essencial, incluindo barbearias, salões de beleza e a proibição de cultos e missas seguirá nos finais de semana. Ele reitera que fiscalização deverá percorrer os bairros neste fim de semana atendendo às solicitações da população para que ela não se concentre apenas no Centro. “Continuamos pedindo para que as pessoas mantenham o isolamento domiciliar”, diz.

O prefeito comenta, também, que a prefeitura vem se esforçando para resolver a escassez de medicamentos no Hospital Municipal Getúlio Vargas, que se estende por cerca de uma semana.

Esteio espera revisão de protocolo

O prefeito de Esteio, Leonardo Pascoal, também não foi surpreendido com a manutenção da bandeira vermelha. Ele comenta que não pretende recorrer da decisão estadual, solicitando retorno à classificação de risco médio, mas reitera que vem pleiteando uma adaptação do protocolo da bandeira vermelha para a autorização de operações comerciais na modalidade “take-away” (retirada no balcão). “Conversei ainda hoje com o governador Eduardo Leite. Pedi uma alteração para que seja possível o atendimento no formato ‘take-away’. Só uma modificação do protocolo, que não foi acolhida na semana passada. Também conversei com o vice. Se não for ajustado já nessa rodada, pretendo recorrer”, aponta.

Pascoal comenta que Esteio passa por um momento de relativa estabilidade com relação às internações e número de casos de Covid-19. “Os dados que temos indicam que o pior momento ocorreu em meados do dia 18 de junho, quando tivemos média de 2,5% de transmissibilidade do vírus. Há duas semanas mantemos esse índice na casa de 1%. É como se estivéssemos no platô da curva.” O prefeito atribui o equilíbrio dos índices à ampla testagem no município e à redução da circulação de pessoas nas ruas. “Acreditamos que devido a isso, podemos entrar em um a situação melhor logo ali na frente”, projeta.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.