Publicidade
Acompanhe:
Esportes | Novo Hamburgo Anilado

Noia completa 109 anos de história e pede ajuda

Com aniversário do clube em meio à pandemia do novo coronavírus, celebração dá lugar à preocupação no Estádio do Vale

Por André Heck
Última atualização: 29.04.2020 às 20:27

Estádio do Vale aguarda retomada do futebol para poder voltar a receber torcida Foto: Adilson Germann/ECNH
Campeão do Gauchão em 2017, o Esporte Clube Novo Hamburgo (ECNH) comemora 109 anos nesta sexta-feira (1). Apenas três anos após a maior conquista da sua história centenária, o Noia vive um momento complicado. Desta vez, o problema extrapola os muros do Estádio do Vale. Além das questões de saúde pública, o coronavírus atingiu em cheio a economia mundial. E os clubes de futebol, independente de sua estrutura, não escaparam. A comemoração acaba substituída por preocupação com o futuro do clube. Para seguir sua história, os dirigentes ressaltam a necessidade de contar com o apoio da comunidade.

CONTEÚDO ABERTO | Leia todos os conteúdos sobre coronavírus

"Comentamos sobre o que fazer (para comemorar a data), mas o grupo achou melhor segurar, não inventar nada agora", revelou o presidente anilado, Raul Hartmann. O dirigente se diz triste pelo momento, mas feliz pelo que a administração vem conquistando. "O positivo, após o título gaúcho, é a gestão de resolver as questões administrativas, trabalhistas, a questão contábil e fiscal, com o passivo organizado. Isso me deixa feliz, seguro", comemorou Hartmann.

Atual presidente do Conselho Deliberativo e ex-presidente do Noia por oito vezes, Rosalvo Johann, o Maneca, salienta que com 300 sócios e 50 conselheiros, a receita anilada é de R$ 11 mil, mas o custo para manter o estádio aberto é de R$ 60 mil. "Os dirigentes têm que fazer milagre", afirmou. "Se a comunidade olhasse com mais carinho e atenção, o Noia poderia ser mais forte. Muita gente diz que gosta do clube, mas nem se associa."

Retomada do futebol no Vale

O time profissional do Noia aguarda a retomada do Gauchão, mas categorias de base e escolinhas estão fechadas. "As pessoas não entenderam porque encerrar a escolinha, mas não sabemos até quando vai essa questão do coronavírus. O financeiro está complicado. Vamos nos reestruturar para retomar assim que possível", disse Maneca.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.