Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Viver com Saúde

Apneia atinge a maioria das pessoas que ronca

Tratamento traz melhoria do sono e controle de alterações da pressão
10/12/2018 14:55

Um ruído "infernal" que não deixa quem está ao lado dormir. Na maioria das vezes, o ronco vem acompanhado de paradas momentâneas da respiração, chamadas de Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono (SAOS). O problema, além de motivar o distanciamento do casal, traz sérios riscos de saúde para o paciente, que normalmente é do sexo masculino e está acima do peso.

Um destes casos é o do químico Paulo João Lachnit Filho, 60 anos. Só depois que a esposa gravou o barulho que o marido fazia à noite é que ele acreditou que era hora de buscar tratamento. "Sempre ronquei. Ao 45 anos fiz um exame em Porto Alegre e foi constatada apneia grave. Fiquei apavorado, pois tive apneias de dois minutos", relembra.

Atualmente, faz 15 anos que Lachnit Filho usa o CPAP (sigla em inglês para Continuous Positive Airway Pressure), equipamento que envia ar sob pressão para os pulmões e mantém as vias aéreas abertas mecanicamente. Na época, além do CPAP, o químico fez uso de um aparelho ortodôntico.

Além da melhora no sono, o tratamento trouxe mais saúde para ele e para a esposa. "Não tomo mais remédio para pressão e nem para dormir. Minha pressão agora é normal".

Causas

Foto por: Divulgação
Descrição da foto: Camila Janke, otorrinolaringologista
A otorrinolaringologista Camila Janke Lopes explica que o ronco indica uma interrupção da passagem de ar pela via aérea superior. Outra constatação é que a maioria das pessoas que ronca tem apneia, "o que muda entre os indivíduos é a intensidade e gravidade do nível das apneias".

A fadiga, o consumo de álcool e medicações sedativas aumentam o risco. Apesar disso, o problema pode ter diversas causas como: "obesidade, nariz entupido por rinite ou alterações anatômicas como desvio do septo, adenoides ou aumento das amígdalas. Alterações crânio-faciais, doenças pulmonares entre outras", diz.

A médica afirma, ainda, que a história clínica e o exame físico, com o auxílio de análises complementares, ajudarão a identificar a causa do problema. Além do aparelho, Camila indica terapia com fonoaudiólogo, perda de peso, cirurgia nasal, aparelhos odontológicos, mudança de hábitos de sono, dependendo de cada caso.


Diário de Cachoeirinha
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE