Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Veja outras opções

O WhatsApp é o app de mensagens mais popular, mas não é o mais seguro

A discussão sobre a melhor tecnologia para conversas no celular vem após vazamento de conversas de membros da Operação Lava Jato
10/06/2019 11:34 10/06/2019 12:18

O assunto explodiu na noite de domingo (9): vazaram conversas de membros da Operação Lava Jato. As mensagens trocadas entre o procurador da República, Deltan Dallagnol e o ex-juiz Sérgio Moro por meio do aplicativo Telegram, entre os anos de 2015 e 2017, foram expostas. No Brasil, o Telegram é utilizado por muitas pessoas, principalmente para quebrar um galho quando há algum problema deixando off line o WhatsApp, o aplicativo mais popular para troca de mensagens. Mas será que os dois serviços são as melhores opções quando você está buscando mais segurança em suas comunicações? Há um terceiro aplicativo, o Signal, que figura entre os usuários como um dos melhores para quem quer evitar ao máximo, ter o sigilo quebrado por terceiros.

O WhatsApp tem por trás a"usina" de dados do Facebook, comandado por Mark Zuckberg. Vários parâmetros são coletados e utilizados na inteligência de publicidade da gigante com sede nos Estados Unidos. É um software proprietário. Já o Telegram foi fundadoem 2013 pelo irmãos Nikolai e Pavel Durov, os fundadores do VK, a maior rede social da Rússia. O Signal é desenvolvido pela Signal Foundation, uma comunidade mundial deprogramadores interessados em uma alternativa segura de conversa. Em comum: todos funcionam nos celulares com os sistemas Android e no iPhone. "Os dois primeiros são aplicativos que investem muito em segurança. Mas o código é fechado entre eles. Até que ponto esse código pode ser vazado ou usado para explorar vulnerabilidades, não se sabe", pontua o diretor da Sinosnet e especialista em segurança da informação, Henrique Pufal.

Para entender melhor o assunto, é melhor o leitor ficar atento a termos como a criptografia ponta a ponta:refere-se a um sistema em que a mensagem sai codificada de um dispositivo que a envia e só é decodificada quando chega ao destinatário. Também há outro recurso relacionado, como a autenticação de chaves, que confirma a autenticidade do remetente. Por último, a autenticação em duas etapas evita que o aplicativo de conversa com seus dados seja utilizado indevidamente em outro aparelho.

E importante lembrar: o problema de vazamento de dados pode não ser necessariamente um problema no aplicativo, mas alguma técnica de coleta de dados no dispositivo como um todo. Por isso, ao falar algo importante, é bom ter cuidado redobrado quanto ao conteúdo. "Neste caso da Lava Jato, até que ponto esse vazamento que ocorreu pode não ter vindo de dentro, de pessoas próximas? Então, dependendo do nível de confidencialidade da conversa, é melhor falar ao vivo do que colocar isso num aplicativo", recomenda Pufal.


Diário de Cachoeirinha
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE