Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Programa espião

WhatsApp detecta brecha que permite acesso de hackers a celulares

Aplicativo pede que 1,5 bilhão de usuários atualizem para versão mais recente
14/05/2019 09:51 14/05/2019 09:59

Foto por: Divulgação/Pixabay
Descrição da foto: Praga teria sido desenvolvida por empresa israelense e transmitida através de chamadas VoIP via WhatsApp no iOS e Android
O WhatsApp, app de mensagens instantâneas de propriedade do Facebook, detectou uma vulnerabilidade no sistema que permitiu que hackers instalassem programas espiões (spywares) nos telefones dos usuários. A informação foi divulgada pelo Financial Times nesta segunda-feira (13).

Depois da descoberta, a empresa pede que 1,5 bilhão de usuários em todo o mundo atualizem para a versão mais recente do aplicativo.

Segundo o jornal, praga foi desenvolvida empresa israelense NSO Group e transmitida por usuários de através de chamadas VoIP via WhatsApp no iOS e Android. O código malicioso pode ter sido transmitido sem que o usuário tenha atendido às chamadas, que, em alguns casos, desapareceram dos registros. Assim, muitos podem ter sido atacados sem saber. O WhatsApp acredita que não tenha sido um ataque em grande escala e que alguns telefones tenham sido escolhidos especificamente pelos hackers. Não foram fornecidos detalhes sobre a suposta brecha no sistema, que esteve aberta por semanas.

O comunicado enviado ao Financial Times, o WhatsApp afirma que o ataque possui todas as características de uma empresa já bem conhecida por trabalhar com governos, de forma que opera distribuindo spywares que podem assumir as funções dos sistemas operacionais dos smartphones.

Com informações do CanalTech e G1

Diário de Cachoeirinha
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE