Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
PUBLICIDADE
Opinião do Repórter

Os perigos da RS-115

Adair Santos é editor do caderno Motores
05/07/2019 13:35 05/07/2019 13:36

Foto por: Joni Feltes/Bombeiros Voluntários de Igrejinha
Descrição da foto: Acidente com duas mortes na RS-115 na madrugada desta sexta-feira
Gramado e Canela são dois dos principais destinos turísticos não apenas do Rio Grande do Sul, mas também do Brasil, e há muitas décadas. Incrível que o Estado não teve ''tempo'' para duplicar a RS-115, que liga Taquara a Gramado. Se a rodovia fosse duplicada, quantas mortes poderiam ter sido evitadas?

O que existem apenas são trechos de duas pistas na subida, a partir do pedágio de Três Coroas, e uma duplicação curta, no perímetro urbano de Taquara. Mas, francamente, isso é pouco para uma estrada tão movimentada, principalmente nesta época de inverno, com a rede hoteleira lotada. Aos sábados e domingos, longas filas se formam em vários pontos, tanto pela manhã quanto à tardinha.   

No geral, a RS-115 é bem sinalizada e seu asfalto tem boas condições. Mas nos meses mais frios, outro problema é a neblina, que dificulta bastante a visibilidade, tornando quase impossível enxergar pedestres e motos. Por isso, é importante seguir as placas de sinalização e obedecer os limites de velocidade – eles não estão lá à toa.  

Diário de Cachoeirinha
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE