Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Saúde

RS tem primeiro caso de dengue contraída dentro do estado

Ao todo, Rio Grande do Sul tem quatro confirmações da doença este ano
25/01/2019 10:53

Foto por: Divulgação
Descrição da foto: Além de dengue, Aedes aegypti transmite zika e chikungunya
O Centro Estadual de Vigilância em Saúde (CEVs) confirmou o primeiro caso de dengue autóctone, ou seja, contraída dentro do estado, em 2019. O caso foi registrado em Panambi, no Noroeste gaúcho. Outros três casos de dengue, contraída fora do Rio Grande do Sul, também foram confirmados em residentes dos municípios de São Luiz Gonzaga e Sete de Setembro (com dois casos). 

Nos quatro casos confirmados, os municípios já iniciaram ações de bloqueio, que consistem na aplicação de larvicida num raio de 300 metros das residências onde foram registrados os casos, além da busca ativa de focos de larvas do inseto. A chefe da Divisão de Vigilância Epidemiológica do CEVs, Tani Ranieri, ressalta que as três cidades fazem parte da região Noroeste, onde há maior incidência de municípios considerados infestados (que identificaram a presença de focos de larvas do Aedes aegypti nas ações de busca ativa ao menos uma vez nos últimos 12 meses).

“Ao todo, 319 cidades gaúchas atendem a esses critérios para serem classificadas como infestadas pelo mosquito. Isso significa que, caso alguém venha de fora com a doença, nesses municípios pode haver o contágio de mais pessoas, pois temos ali a presença identificada do mosquito transmissor”, destaca Tani. 

O verão é a época do ano mais propícia para a circulação do mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya, o Aedes aegypti, em virtude do aumento da temperatura e das chuvas. A secretária da Saúde, Arita Bergmann, anunciou nesta semana o repasse de R$ 2,4 milhões para 232 municípios com risco maior de infestação do mosquito.


Diário de Cachoeirinha
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE