Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
PUBLICIDADE
Saúde

Emergência superlotada restringe atendimentos no Dom João Becker

Hospital está com ocupação 200% superior à capacidade da emergência. Casos que não sejam urgentes são repassados à UPA e ao PAM 24 Horas.
13/08/2019 14:58 13/08/2019 15:11

Foto por: GES
Descrição da foto: dom joão becker: 1o de agosto completou um ano do dia que as chaves do Hospital Dom João Becker foram entregues ao grupo Santa Casa
A emergência do Hospital Dom João Becker está superlotada. Quem chega ao local nesta semana e não tem constatado um quadro de urgência, a recomendação é de que procure a UPA 24 Horas ou o Pronto-Atendimento 24 Horas. Conforme a assessoria de comunicação da Santa Casa de Misericórdia, o espaço que tem capacidade para 12 leitos está com 32 pacientes, ou 200% acima da capacidade do único hospital que atende pelo SUS à população de Gravataí.

E quem sofreu as consequências deste caos foi a aposentada Maria Luiza da Rosa, 64 anos, moradora do Passo da Caveira. Ela sofre com ferimentos nos pés, que estariam infeccionados, como consequência da diabetes. Foi levada ao Dom João Becker na manhã de segunda (12), e novamente nesta terça (13), pelo genro. Nos dois dias, não foi atendida.

"Eu moro há quase 40 anos em Gravataí e nunca vi uma situação como essa. Geralmente, se está lotado, a gente espera mais, mas eles não deixam de atender. Dessa vez, nos disseram que não teria médico para atender, nem avaliaram o caso dela", critica Paulo Gama Boeno, 49 anos.


Na manhã de segunda, eles foram aconselhados a procurar a UPA. Foi o que fizeram, e Maria Luiz recebeu medicação, mas também foi orientada a voltar no hospital, que é o único local estruturado para a pequena cirurgia necessária em seus pés.

"Foi aí que resolvemos voltar lá hoje (terça), e para minha surpresa, não tinha nem mais pessoas esperando atendimento. Desistiram, porque não estão atendendo a ninguém. Na segunda, junto conosco, ainda vi muitas pessoas irem embora com a mesma resposta", aponta Boeno.

A assessoria da entidade nega que tenham faltado médicos para o atendimento pelo SUS. No entanto, confirma que casos que não sejam emergenciais não estão sendo atendidos no Dom João Becker.

Mudanças à vista

Pelo menos até setembro, quando termina o prazo do aditamento mais recente no contrato firmado entre o município e o Hospital Dom João Becker, não haverá mudanças estruturais e na capacidade de atendimento do hospital pelo SUS. É aguardado para o mês que vem, no entanto, o desfecho das negociações para um novo contrato da saúde pública de Gravataí.

Entre os planos da Santa Casa de Misericórdia para o próximo ano, por exemplo, está a reforma que triplicará a capacidade da emergência pelo SUS. Em uma situação como a desta semana, por exemplo, já não haveria lotação. O projeto, segundo o diretor médico Marcelo Pasa, está em fase de captação de recursos, estimados em R$ 5 milhões.

Pasa não detalha os pontos em discussão com a prefeitura para a mudança nos repasses da saúde, mas adianta que "haverá um aumento considerável nos serviços oferecidos à população".

Diário de Cachoeirinha
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE