Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
PUBLICIDADE
Suspeito capturado em imagens

Haitiana foi asfixiada até a morte por uma quantia não superior a R$ 300, conforme polícia

Investigação da 2ª Delegacia de Polícia (DP) já aponta provável suspeito para caso classificado como cruel. "A vida humana está valendo cada vez menos", desabafou o delegado Gustavo Bermudes
12/08/2019 14:48 12/08/2019 14:51

Foto por: POLÍCIA CIVIL/REPRODUÇÃO
Descrição da foto: SUSPEITO? Polícia avalia imagens do crime que veio à tona na manhã de sábado (10)
A Polícia Civil promove uma verdadeira caçada ao responsável pela morte da haitiana Germanie Paulo, 29 anos, na madrugada do último sábado (10), em um motel no bairro São Geraldo. O caso foi parar na 2ª Delegacia de Polícia (DP) após ter sido confirmado que tratava-se de um latrocínio (roubo seguido de morte). Desde o final os agentes da DP estão em cima do crime, avaliando imagens das câmeras de segurança do a fim de chegar a um suspeito. Conforme o delegado Gustavo Bermudes, que coordena a apuração, a suspeita é que a trabalhadora tenha sido morta por uma quantia não superior a R$ 300. "A vida humana está valendo cada vez menos", desabafou. "Tudo que temos é muito preliminar, mas acreditamos que um indivíduo resolveu roubar o estabelecimento após uma noitada de sexo e drogas no motel", continua. "Só que a vítima era a única pessoa trabalhando naquele momento. Não havia necessidade de matá-la. Foi uma crueldade."

Ainda não há o laudo confirmando a causa da morte, mas os peritos disseram preliminarmente tratar-se de asfixia por esganadura. "Acreditamos que houve luta entre ela e outra pessoa, mas tudo indica mesmo que ela foi asfixiada até a morte." Sobre a quantia levada, também não houve confirmação por parte do proprietário, no entanto a investigação apurou que a cada troca de turno, o valor em caixa era levado. Portanto, é quase certo que não havia mais que R$ 300 em caixa no momento em que Germanie foi morta. "Foi constatado que havia um casal no motel. Havia vestígios de drogas no quarto usado por eles. E depois que saíram, a vítima foi encontrada e o dinheiro em caixa e o celular dela foram levados", esclarece. "Há imagens gravadas nas câmeras de segurança com este homem vagando pelo motel. Só não temos certeza se é ele ainda. Porém, é uma hipótese."

Diário de Cachoeirinha
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE