Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Grandes marcas

Operação fecha fábricas de calçados falsificados; 200 pares prontos foram apreendidos

Uma das empresas alvo da Polícia fica no bairro Canudos
13/06/2019 03:00 13/06/2019 07:56

Foto por: Polícia Civil
Descrição da foto: APREENSÃO: quase 400 pares e materiais foram recolhidos
A pirataria de produtos está na mira da Polícia Civil. Agentes da 1ª Delegacia de Novo Hamburgo realizaram nesta semana duas operações onde empresas de calçados que falsificavam tênis de grandes marcas tiveram materiais apreendidos. Ao todo, foram apreendidos quase 200 pares de calçados prontos, além de mais 200 pares em fase de finalização, além de materiais usados para a falsificação.

Em maio, 700 pares foram apreendidos em fabricante de Campo Bom.

Segundo o delegado Tarcísio Kaltbach, que coordenou as ações, os agentes chegaram as empresas através de denúncias. "Os locais têm alvará de funcionamento, porém na chegada dos agentes ao local, foi confirmado que além dos calçados próprios, os estabelecimentos produziam calçados usando identificação de grandes marcas sem autorização, caracterizando a falsificação", explica.

A primeira ação aconteceu na terça-feira pela manhã, no bairro Canudos, em Novo Hamburgo. Os agentes chegaram na empresa localizada na Rua Alcântara e ao vistoriar o local se depararam com diversos pares falsificados além das matrizes de serigrafia usadas para aplicar os logotipos nos calçados.

No local foram apreendidos 149 pares de tênis, 219 cabedais de tênis, seis placas de serigrafia e um saco com diversos retalhos de acabamentos com o logo das marcas. O dono da empresa, de 44 anos, foi conduzido até a delegacia e preso, sem direito a fiança. Ele vai responder por crime contra as relações de consumo, com pena de dois a cinco anos de detenção ou multa, e contra registro de marca, com pena de três meses a um ano, ou multa. Segundo os investigadores a empresa produzia cerca de 150 pares por semana e comercializava por todo o Estado e fora dele.

Nova operação

A pirataria de produtos está na mira da Polícia Civil. Agentes da 1.ª Delegacia de Novo Hamburgo realizaram nesta semana duas operações onde empresas de calçados que falsificavam tênis de grandes marcas tiveram materiais apreendidos. Ao todo, foram apreendidos quase 200 pares de calçados prontos, além de mais 200 pares em fase de finalização e também materiais usados para a falsificação.

Segundo o delegado Tarcísio Kaltbach, que coordenou as ações, os agentes chegaram às empresas através de denúncias. "Os locais têm alvará de funcionamento, porém, na chegada dos agentes, foi confirmado que, além dos calçados próprios, os estabelecimentos produziam calçados usando identificação de grandes marcas sem autorização, caracterizando a falsificação", explica.

A primeira ação aconteceu na terça-feira pela manhã, no bairro Canudos, em Novo Hamburgo. Os agentes chegaram na empresa localizada na Rua Alcântara e, ao vistoriar o local, se depararam com diversos pares falsificados, além das matrizes de serigrafia usadas para aplicar os logotipos nos calçados.

No local, foram apreendidos 149 pares de tênis, 219 cabedais de tênis, seis placas de serigrafia e um saco com diversos retalhos de acabamentos com o logo das marcas. O dono da empresa, de 44 anos, foi conduzido até a delegacia e preso, sem direito a fiança. Ele vai responder por crime contra as relações de consumo, com pena de dois a cinco anos de detenção ou multa, e contra registro de marca, com pena de três meses a um ano, ou multa. Segundo os investigadores, a empresa produzia cerca de 150 pares por semana e comercializava por todo o Estado e fora dele.

Diário de Cachoeirinha
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE