Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
São Leopoldo

Internado há uma semana, jovem morto no Centenário era de Cachoeirinha

Gabriel Villas-Boas Minossi, de 19 anos, que foi morto por engano deveria receber alta na quinta-feira
09/11/2018 10:04 09/11/2018 13:22

Foto por: Facebook/Reprodução
Descrição da foto: Gabriel Minossi
Jovem, alegre, cheio de vida e com um gosto pela cultura gaúcha. Assim é descrito pelo pai o jovem Gabriel Villas-Boas Minossi, de 19 anos. Ele foi morto por engano em uma audaciosa ação de criminosos na madrugada desta sexta-feira (9) no Hospital Centenário, em São Leopoldo. Os atiradores tinham como alvo um traficante internado na casa de saúde, mas confundiram com Gabriel, que acabou morrendo, atingido por pelo menos 20 tiros de pistola.  

"Meu filho era um guri bom, trabalhador. Estava internado por causa de um acidente de trânsito", lamenta o pai, Marcelo Minossi. "Ele (o verdadeiro alvo) conversou com meu filho. Disse: 'E aí cara, tudo bem?' É revoltante!"

Foto por: Facebook/Reprodução
Descrição da foto: Gabriel e o pai, Marcelo, durante internação do jovem no Centenário

Marcelo conta que Gabriel deveria ter tido alta na quinta-feira à tarde, mas não pode deixar o local porque estava com a pressão alterada e, por isso, ficaria mais um dia internado. O jovem sofreu um acidente de moto, na BR-116, na quinta-feira da semana passada. "Ele estava na ala junto com a madrinha que acordou desesperada com os tiros. Ela ficou em pânico", conta.

Gabriel era um frequentador assíduo de um CTG em Lomba Grande. Todas as terças-feiras, ele e amigos costumavam participar de bailes e jantares no local. 

A família ainda aguarda a finalização da perícia para ter a liberação do corpo do jovem. 



Diário de Cachoeirinha
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE