Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
XYZ
Cinema

Dumbo de Tim Burton é sombrio e melancólico

Retomada de animação clássica da Disney ficou pesada
07/04/2019 16:18 07/04/2019 16:19

Foto por: Divulgação
Descrição da foto: Eva Green e Dumbo de computação gráfica no filme de Tim Burton que retoma animação da Disney de 1941
A Disney está refazendo nas chamadas versões live action (com atores) um por um dos seus desenhos animados clássicos. Já ganharam refilmagem Cinderella e A Bela e a Fera, vêm aí Alladim e O Rei Leão e, por enquanto, está em cartaz Dumbo, dirigido pelo malucão Tim Burton, que já assinou a primeira destas refilmagens do estúdio, Alice no País das Maravilhas. Dumbo retoma a quarta animação de cinema da casa do Mickey, de 1941.

As duas histórias tratam de um elefantinho nascido num circo daqueles que percorrem os Estados Unidos de trem. O bicho nasceu com orelhas grandes, o que lhe rende preconceito dos outros animais e dos humanos também, a ponto de receber o apelido pejorativo de “Dumbo”, mistura de “dumb” (“burro”) com “jumbo”, nome de sua mãe no filme. Só que Dumbo vai surpreender a todos porque suas orelhas grandes funcionam como asas e ele pode voar.

O filme de Tim Burton capricha nos ingredientes exóticos e nos delírios visuais, mas é bastante diferente do primeiro. No desenho, os animais falavam, embora Dumbo fosse mudo. No filme, vários personagens humanos são introduzidos para substituir os bichos que eram amigos ou antagonistas do herói. Várias cenas, um ou outro elemento e até alguns diálogos são reimaginações de similares da animação, mas a semelhança não vai muito além. Não faz diferença, porque Dumbo é um dos desenhos menos lembrados da Disney, embora costume ser valorizado pela crítica e pelos historiadores.

Dumbo até vai bem nas bilheterias, mas não tanto quanto o estúdio esperava. A recepção morna talvez aconteça porque é um filme sombrio e triste, com seus heróis que sofrem o tempo todo, antes do happy end obrigatório em toda produção da Disney. As concessões aos tempos politicamente corretos também incomodam um pouco e chegam a ser anticlimáticas. O anacronismo também é um fator alienante para as plateias modernas. O Dumbo original era ambientado na própria época de realização, mas a refilmagem optou por manter a ação nos anos 40 e fazer reconstituição histórica. Isso porque os grandes circos, e especialmente aqueles repletos de animais, que se deslocavam por trem, são agora algo que efetivamente ficou no passado.

Dumbo é extravagante, até bonito mas um pouco pesado – exatamente o que você esperaria de um elefante voador.

Diário de Cachoeirinha

XYZ

por André Moraes
andre.moraes@gruposinos.com.br

Assim como na tradicional coluna semanal de variedades do jornal ABC Domingo, o XYZ fala de cinema, tevê, quadrinhos, nostalgia e assuntos da cultura pop em geral. Informação e curiosidades com um toque de humor.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE