Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Feira do Peixe

A hora é de escolher o cardápio da Sexta Feira Santa

Em Gravataí e Cachoeirinha, a "pescaria" nos tanques e balcões da Feira do Peixe já começou.
17/04/2019 17:14 17/04/2019 17:14

Foto por: GES
Descrição da foto: O Yuri acompanhou de perto a captura do peixão
Era tudo novidade. Os olhos arregalados cuidavam cada movimento do pessoal com a rede à beira do tanque. Corria de um lado para o outro, seguindo o movimento dos peixes recém trazidos à Feira do Peixe de Gravataí, no Parcão. De repente, em um movimento brusco de uma ou outra tilápia, e o Yuri, de cinco anos, ficou todo molhado, mas faceiro.

A Sexta Feira Santa dele será cheia de histórias para contar junto da família, na Cohab B. Na tarde desta quarta, ele fez questão de acompanhar os avós nesta "pescaria". Foi a estreia dele, e da avó, Ângela, de 42 anos, na feira de Gravataí.

Quem também acompanhou os pais, e sabia todos os detalhes do peixão escolhido por eles em um dos tanques da Feira do Peixe, no Parcão de Cachoeirinha, foi o Vinícius, de seis anos. Na casa da família do bairro Bom Princípio, o prato da sexta será a carpa recheada.

"É um prato especial. Recheamos com cebola, pimentão, tomate e enrolamos a carpa no papel alumínio. Aí é só botar no forno e depois se deliciar. Mas tem um detalhe: é preciso deixar temperado, com o recheio, de um dia para o outro, que pega mais o gosto", conta a mãe, Simone Moura, 40 anos.

Os peixes vivos começaram a chegar á feira de Cachoeirinha nesta quarta. A maior parte vem de Rolante e alguns, contam os funcionários, chegam a pesar 9kg. A expectativa da prefeitura de Cachoeirinha é de que o evento deste ano repita o sucesso de 2018, quando cinco mil pessoas circularam pela feira, com a comercialização de mais de 10 toneladas de peixe. Mas o preço ainda assusta o consumidor.

"Confesso que estou escolhendo o mais barato para o almoço da Sexta Feira Santa desse ano", conta Rose Palmas, 56 anos, moradora do Parque da Matriz.

A variação dos preços, relatam alguns consumidores, chega a 30% em relação ao ano passado.

A abertura oficial da Feira do Peixe de Gravataí será no final da manhã desta quinta (18), no Parcão, mas as bancas já registram bom movimento. A feira acontece, além do Parcão, no Parque dos Anjos e na Morada do Vale. Nesta quarta, chegavam ao local as tilápias e carpas trazidas dos açudes da parada 107. E o que mais está saindo, contam os feirantes, é o filé de anjo.

Para o Jorge Lopes, de 70 anos, porém, o que conta no almoço da Sexta Feira Santa é mesmo a tradição. Nesta quarta, ele escolheu um belo bagre para fazer o seu ensopado para os filhos, na Cohab B.

"É um prato que desde guri eu faço. Vai cebola, pimentão, tomate e batatinha ralada para engrossar o caldo. É uma receita que me faz lembrar os tempos em que eu pescava o bagre lá em Bagé", conta.

E se ele aproveitará a data para rememorar, o Yuri recém começou a colecionar as suas lembranças da Sexta Feira Santa, e da Feira do Peixe. Depois de escolhida a tilápia que será assada, recheada, aquela coragem do Yuri à beira do tanque deu uma murchada. Ele deixou para o avô carregar o peixe na sacola. Vai que ela resolvesse dar um pulo daqueles.

Diário de Cachoeirinha
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE