Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Prevenção

Região reforça combate ao mosquito da dengue

Com ações o ano todo, prefeituras realizam ações de prevenção ao Aedes com a chegada do calor
01/11/2018 11:34 01/11/2018 11:34

Com a elevação da temperatura, aumenta também a proliferação de mosquitos. As cidades da região têm se mobilizado, a fim de alertar a população sobre os cuidados necessários para evitar criadouros do Aedes aegypti, mosquito vetor da dengue e de outras doenças como zika, chikungunya e febre amarela. Neste ano, foram registrados 21 casos de dengue no Rio Grande do Sul, todos contraídos fora do Estado. Isso, no entanto, não diminui a preocupação com o Aedes aegypti – uma vez que ele ganha força nos meses mais quentes e úmidos do ano, já que a temperatura ideal para a proliferação do inseto é de aproximadamente 26 graus.

Em Novo Hamburgo, o município tem realizado procedimentos, conforme preconiza o Programa Nacional de Controle da Dengue (PNCD), entre eles Levantamento de Índice + Tratamento (Li + T), atendimento das denúncias, visita aos pontos estratégicos (PEs), Levantamento de Índice Rápido de Aedes aegypti (LIRAa) e ações de educação em saúde.

“Semanalmente, os imóveis de diversos bairros em Novo Hamburgo são visitados e inspecionados. Os moradores e responsáveis por estes recebem orientações sobre como evitar focos de água parada e, quando necessário, realizam tratamento mecânico ou químico destes possíveis focos”, ressalta a coordenadora do Departamento de Vigilância Ambiental em Saúde de Novo Hamburgo, Julyana Sthéfanie Simões Matos.

Já em Sapiranga, a Secretaria Municipal da Saúde também realiza diversas atividades de combate ao mosquito, como visitas quinzenais a 116 pontos estratégicos, além de domiciliares. Também são ministradas palestras e distribuído material informativo. Sapiranga conta ainda com um laboratório próprio para identificação larvária, o que agiliza o processo de trabalho.

municípios atentos ao mosquito

Confira abaixo, ações preventivas na região:

Campo Bom
A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) realiza ações conjuntas com os agentes de Combate a Endemias e agentes de Saúde ao longo de todo ano, realizando visitas domiciliares com inspeção e coletas de larvas. Conforme a SMS, são realizadas pelos 82 agentes de saúde aproximadamente cinco mil visitas mensais, além dos oito agentes de combate a endemias, que realizam, em média, 1,5 mil visitas mensais. “A participação da população nas ações de prevenção é fundamental. É preciso que todos estejam atentos a quaisquer possíveis criadouros em casa, no trabalho e demais locais frequentados”, destaca a titular da Secretaria Municipal de Saúde, Suzana Ambros Pereira.

Dois Irmãos
No município, há 35 armadilhas e dez pontos estratégicos, que são monitorados semanalmente pelas agentes de endemias. A Secretaria Municipal de Saúde, através da Vigilância Sanitária e Ambiental, promove campanhas de conscientização para o combate ao mosquito o ano todo. A comunidade deve comunicar possíveis locais onde exista água parada, pelo telefone (51) 3564-7472. “Com a aproximação do Dia de Finados, é importante que a comunidade não coloque vasos com água sobre os túmulos e preencha com areia o prato das plantas”, alerta a agente de endemia Márcia Skonetzky

Estância Velha
O trabalho de prevenção é feito todos os anos, com visitas diárias de agentes comunitárias de saúde em sua microárea. Já a agente de endemias faz a área descoberta, que corresponde a 52% do município. Já foi encaminhada a contratação de agente de endemias para as áreas descobertas. As inspeções ocorrem em pontos estratégicos como: borracharias, floriculturas, cemitérios e recicladores de 15 em 15 dias. Também são feitas palestras em escolas, empresas e participação em feiras para orientação. De 5 a 9 de novembro será feito o 4o LIRAa (Levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti) em todo o município. Para isso, serão visitados 20% das residências e terrenos baldios no intuito de coletar larvas do mosquito.

Ivoti
Segundo o responsável pelo Setor de Vigilância em Saúde, João Carlos dos Santos, o levantamento de índice é feito regularmente. “Todos os imóveis do município, incluindo terrenos baldios, devem ser visitados e, a cada 15 dias, os pontos estratégicos. São seis ciclos no ano e procuramos percorrer o município de forma a orientar, prevenir e coletar amostras”, pontua.

Parobé
No município, existem dois agentes de combate a endemias e 28 agentes comunitários de saúde trabalhando no controle e combate ao Aedes aegypti. Também existem armadilhas espalhadas e monitoradas semanalmente, a fim de coletar larvas e monitorar o aparecimento das espécies que circulam na cidade. Além desse trabalho designado pelo Estado, Parobé possui projetos de limpeza e de educação. No projeto de educação, os agentes vão até as escolas e levam um minilaboratório, onde aprendem a observar as larvas e descobrir a espécie do mosquito que acharam.

Taquara
Durante todo o ano Taquara tem feito o monitoramento semanal de armadilhas instaladas em 48 pontos estratégicos do município. “Além disso, foi assinado, nesta segunda-feira, um documento solicitando a contratação de seis agentes de combate as endemias, e um supervisor, que farão in loco a vistoria em todas as casas e regiões consideradas com possibilidades endêmicas”, diz o secretário de Saúde, Vanderlei Petry.


Diário de Cachoeirinha
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE