Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Estados Unidos

Suspeito de enviar bombas por correio se entrega a tribunal de Nova York

Cesar Sayoc pode pegar pena de até 48 anos de prisão
06/11/2018 20:58 06/11/2018 21:00

Cesar Sayoc, o homem da Flórida acusado de enviar pacotes-bomba a críticos do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, compareceu nesta terça-feira (6) em tribunal de Nova York, onde um juiz ordenou a sua prisão sem fiança.

Sayoc, de 56 anos, compareceu a um tribunal federal de Manhattan por apenas alguns minutos. Não resistiu à prisão, disse um funcionário do escritório do procurador-geral dos Estados Unidos.

Este fã de Trump é acusado de envio ilegal de explosivos e ameaças contra ex-presidentes e suas famílias, o que poderá lhe custar uma pena de até 48 anos de prisão.

Acusações

Preso em 26 de outubro, ele é acusado de enviar explosivos por correio ao ex-presidente Barack Obama, ao ex-vice-presidente Joe Biden, à candidata democrata à presidência em 2016 Hillary Clinton e ao ator Robert De Niro, entre outros. Vários dos dispositivos foram interceptados em Nova York.

Sayoc, um republicano registrado com antecedentes criminais, e que, segundo foi relatado, foi stripper no passado, inicialmente compareceu em um tribunal em Miami, antes de ser enviado para Nova York, onde apresentaram as acusações pela primeira vez no caso dos pacotes suspeitos.

Nenhum dos pacotes explodiu e nunca chegaram aos seus destinatários. Mas por estarem dirigidos especificamente a democratas as tensões políticas se intensificaram e colocaram os Estados Unidos em um estado de nervosismo antes das eleições de meio de mandato nesta terça-feira, consideradas como um referendo sobre a presidência de Trump.

O suspeito vivia em uma van coberta com adesivos pró-Trump e anti-democratas quando foi preso em uma loja de automóveis em Plantation, na Flórida.

Os dispositivos explosivos foram enviados pelo correio e rastreados até Sayoc com base em impressões digitais e possíveis evidências de DNA, de acordo com o FBI.


Diário de Cachoeirinha
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE