Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Beleza sem cortes

Sem cirurgia, tratamentos minimamente invasivos harmonizam e rejuvenescem o rosto

Aplicações de ácido hialurônico, botox e estimuladores de colágeno entram na preferência de quem busca melhorar a face
24/10/2018 14:35 24/10/2018 14:36

Agulhas super finas e aplicações precisas. Os tratamentos estéticos minimamente invasivos têm ganhado a preferência de mulheres e homens que buscam resultados na aparência do rosto sem precisar se ausentar um longo período para a recuperação. A médica especialista em Estética Ana Paula Chiyoshi explica, porém, que a Medicina Estética e a Cirurgia Plástica são áreas aliadas e um diagnóstico médico preciso é fundamental para direcionar o melhor tratamento.

“A diferença é que a cirurgia tira a flacidez, corta a pele, puxa e reposiciona e a intervenção estética entra para tratar a pele e preencher, num conjunto. Se a pessoa tem maior grau de flacidez, os estimuladores de colágeno e os ácidos hialurônicos não farão a sustentação necessária. Assim, ela faz a cirurgia plástica, trata o restante na estética e continua este tratamento para manter o resultado da cirurgia. Se faz uma cirurgia como um lifting, por exemplo, não pode deixar de tratar as linhas da testa, a perda de volume dos lábios e a elasticidade da pele que ocorre com o passar dos anos”, detalha.

A médica reforça que os cuidados com a face devem começar ainda na fase jovem, até para um melhor resultado posterior. “Para ter idade avançada e pele rejuvenescida, é preciso ter um cuidado desde bem antes, desde os 30 anos, por exemplo, porque senão fica cada vez mais difícil de chegar naquele resultado que a pessoa idealiza. Entre estes estão alimentação equilibrada, tomar bastante água, evitar bebida alcoólica e se expor ao sol o mínimo possível, para preservar a pele do envelhecimento e também de doenças”, cita.

Códigos Médicos da Beleza, o MD Codes

Um dos tratamentos menos invasivos que mais tem chamado atenção atualmente é o MD Codes, os Códigos Médicos da Beleza, feito com aplicações de ácido hialurônico e que promovem a harmonização facial. O resultado é percebido imediatamente. “Há 15 anos, o doutor Maurício de Maio, de São Paulo, vem desenvolvendo estes códigos e dando cursos de aperfeiçoamento aos outros médicos. É como uma equação matemática, há os pontos certos para a aplicação, quantidades determinadas para cada ponto, não é só ir aplicando o ácido no rosto onde achar melhor. E o ácido hialurônico é biodiêntico, já usado há 20 anos, e não há nenhum problema de rejeição e de efeito sistêmico ou colateral como ocorreu nessas complicações pelo Brasil que vimos pela TV”, ressalta.

Mas se é uma equação matemática, vai todo mundo ficar com o mesmo rosto? “Não, pois a matriz de cada um é completamente diferente, vão se manter as características, só que de uma maneira mais harmônica, inclusive equilibrando os dois lados do rosto quando forem desproporcionais”, diz.

Ana Paula também cita que o tratamento não é só para quem busca uma pele rejuvenescida. “É também para homens e mulheres que querem uma aparência menos cansada, a queixa às vezes é por uma feição mais feliz porque a pessoa tem cara de brava, ou mais saudável porque tem um rosto abatido. Algumas mulheres pedem para ficar com o rosto mais feminino, os homens, mais masculino. Fazemos uma entrevista com o paciente e ouvimos o que o desagrada, é bem importante ver qual a queixa porque muitas vezes enxergamos uma coisa que não é o que está o incomodando. Outro detalhe importante neste procedimento é que, além de rejuvenescer, conseguimos embelezar o rosto sem perder as suas características”, informa.

Entenda as diferentes aplicações

Ana Paula ainda explica que nas aplicações nem tudo é botox! Veja algumas diferenças entre os principais tipos de procedimentos para a harmonização facial:

Botox - É a injeção da toxina botulínica. O resultado do procedimento é percebido entre três dias e uma semana e dura, em média, de 4 a 6 meses, dependendo de cada paciente. “Numa aplicação se usa, em média, 1,5 ml, em pequenas quantidades e em pontos específicos. Aí o botox vai promover o relaxamento do músculo que faz nossas linhas de expressão. Com o tempo, a gente vai tentando movimentar novamente este músculo da face, pelo hábito mesmo, e nessa tentativa vamos fazendo a toxina ser metabolizada, ser absorvida pelo corpo, e o músculo voltar a ter o movimento”, detalha a especialista.

Ácido hialurônico - “Está presente em uma das partes de sustentação, debaixo da nossa pele. Com o passar dos anos, assim como nosso colágeno, vamos perdendo o ácido e por isso fica aquele aspecto de face que está caindo, como se estivesse derretendo. O rosto vai perdendo a sustentação na parte superior e perdendo também aquele ‘triângulo’ que deve haver para se ter aspecto de jovialidade. Antes, só se preenchiam linhas e sulcos, mas hoje se reestrutura o rosto, devolve a jovialidade a ele. Volta o rosto para a posição que tinha anteriormente”, cita a médica. O resultado desta aplicação é percebida logo após o produto ser injetado. A duração no corpo varia entre 1 ano e 10 meses a 2 anos.

Estimuladores de colágeno - “São também produtos bioidênticos, biocompatíveis, ou seja, as nossas células de defesa conseguem metabolizá-los ao longo do tempo. É injetado, dependendo da necessidade, um pouco mais superficialmente ou um pouco mais profundo. Temos a hidroxiapatita de cálcio – semelhante à composição de nossos tendões e articulações – e o ácido polilático – que faz uma rede de sustentação na parte baixa, dependendo da maneira como é injetado, e estimula a produção de colágeno. Essa estimulação permanece após a injeção por 30 a 60 dias até termos o resultado final”, explica. A médica ainda destaca que o produto fica no corpo por aproximadamente dois anos, mas não some imediatamente após o período e faz tudo despencar de vez. “É gradativamente, como se fosse um novo processo de envelhecimento, a pele vai cedendo normalmente”, define.


Diário de Cachoeirinha
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE