Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Crise

Peru volta a permitir entrada de venezuelanos sem passaporte no país

Peru é o segundo país que mais recebeu venezuelanos devido à crise enfrentada pelo país
06/10/2018 11:00 06/10/2018 11:02

Foto por: Luis Robayo/AFP
Descrição da foto: Migrantes venezuelanos a caminho do Peru dormem ao longo da estrada Panamericana entre Tulcan e Ibarra, no Equador, depois de entrar no país desde a Colômbia
A Justiça do Peru anulou neste sábado (6) medida adotada pelo governo que proibia a entrada de venezuelanos no país sem passaporte. A juíza Celia San Martín, do Quinto Tribunal Penal de Lima, considerou que a medida violava o direito de ir e vir dos venezuelanos.

A magistrada determinou que o governo elabore em até 30 dias um plano estratégico para lidar com a chegada dos venezuelanos e garantir que eles tenham seus direitos respeitados.

O governo fechou a fronteira para venezuelanos sem passaporte no dia 25 de agosto. A medida reduziu a entrada de refugiados no país de 3 mil para 1,3 mil por dia, segundo informações divulgadas pela Superintendência Nacional de Migrações do Peru.



A juíza acatou um recurso apresentado pela Coordenadora Nacional de Direitos Humanos, que considerou a medida como discriminatória.

A decisão recomenda que o governo local continue permitindo a entrada no país de pessoas sem passaporte por razões humanitárias ou em situação de vulnerabilidade, o que já ocorria no caso de idosos, crianças, mulheres grávidas, doentes e famílias que já tinham algum parente vivendo no Peru.

A magistrada seguiu a decisão tomada pela Justiça do Equador há algumas semanas para também anular uma proibição similar.

O ministro do Interior do Peru, Mauro Medina, afirma que a medida tinha como objetivo apenas controlar melhor o fluxo migratório. Para o governo local, o documento de identidade da Venezuela não tem dados suficientes sobre a pessoa que o porta.

O Peru é o segundo país que mais recebeu venezuelanos devido à crise enfrentada pelo país. O primeiro é a Colômbia. Mais de 450 mil pessoas deixaram a Venezuela em direção ao território peruano.


Diário de Cachoeirinha
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE