Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Baixas de peso

Lesões de Grohe e Everton preocupam Renato Portaluppi

Goleiro e atacante saíram lesionados de campo contra o Bahia e viram dúvida para a Libertadores
07/10/2018 18:51 07/10/2018 18:52

Foto por: Lucas Uebel/Grêmio
Descrição da foto: Everton (foto) e Grohe podem perder primeiro jogo com o River na Libertadores
O empate por 2 a 2 com o Bahia, na Arena, sábado à noite, trouxe outras preocupações para o técnico do Grêmio além da patinada no Brasileirão. Mais do que deixar a vice-liderança da competição nacional escapar dentro de casa, o goleiro Marcelo Grohe e o atacante Everton deixaram a partida e pode desfalcar o time no primeiro jogo da semifinal da Libertadores, no próximo dia 23, contra o River Plate, na Argentina. Antes disso, porém, o Tricolor ainda encara, já no próximo domingo, o líder Palmeiras, fora de casa, pelo Brasileiro.

Everton deixou o campo após sentir uma fisgada no posterior da coxa e pode ser cortado também da seleção brasileira. Grohe sentiu um problema na coxa direita. Os dois devem passar por exames nesta segunda-feira. “Pelo que conheço de lesões, ele (Everton) vai ficar um tempo parado. Infelizmente. Até o River, dia 23. É difícil. Vamos ver o grau de lesão. Contra o River, primeiro jogo, vamos torcer, mas vai ser difícil. O Marcelo (Grohe) é mais ou menos que nem o Everton”, disse o treinador Renato Portaluppi.

AZUIS

Após o empate da noite de sábado, Renato Portaluppi lamentou ter levado o gol logo no início da partida. “A principal dificuldade foi ter levado um gol no início. Quando isso acontece com dois minutos, o adversário se fecha e a torcida fica impaciente”, lamentou. “Pelo que o jogo apresentou, ganhamos um ponto. Tivemos reação para empatar.”


Diário de Cachoeirinha
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE