Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Viver com Saúde

Fezes finas, prisão de ventre ou diarreia alertam para problemas intestinais

Coloproctologista Guilherme Couto afirma que incômodos ligados à porção terminal do aparelho digestivo, cólon, reto e ânus estão no topo das queixas
24/09/2018 14:49 24/09/2018 14:52

Foto por: Divulgação
Descrição da foto: Coloproctologista e cirurgião geral Guilherme Couto
Incômodos ligados à porção terminal do aparelho digestivo, cólon, reto e ânus estão no topo das queixas dos brasileiros. Um dos principais é a prisão de ventre que, conforme lembra o coloproctologista e cirurgião geral Guilherme Couto, não é uma doença e sim o sintoma. “Devemos tratar a causa, por exemplo, mudar os hábitos alimentares, praticar atividades físicas, ingerir mais líquidos e tratar possíveis doenças que possam afetar o trânsito intestinal”, explica. Confira mais detalhes na entrevista.

A prisão de ventre está sempre ligada ao tipo de alimento que consumimos?
Sempre não, mas na maioria das vezes podemos dizer genericamente que sim. A maioria dos casos de prisão de ventre é devida ao baixo consumo de fibras e pouca ingesta de líquidos. Existem também outras causas como megacólon, alterações hormonais, uso crônico de laxantes, etc.

Como diferenciar uma prisão de ventre de algo mais severo, como a síndrome do intestino irritável?
Como regra geral, podemos definir constipação como menos que duas evacuações por semana e que causam desconforto ao paciente. Já a síndrome do intestino irritável é uma doença com vários sintomas e um deles é a prisão de ventre. Alternando com episódios de diarreia, piora com o estresse, tem saída de muco nas fezes e os exames de imagem geralmente são normais.

Em que casos o exame de colonoscopia é indicado?
Genericamente todos as pessoas deveriam fazer uma colonoscopia aos 50 anos – alguns estudos atuais sugerem começar aos 45 anos como rastreamento para câncer. Pessoas com fatores de risco como histórico familiar de câncer de cólon devem iniciar antes. Porém, pacientes que possuem sangramento nas fezes, alteração do hábito intestinal, constipação refrataria ao tratamento, dor abdominal a esclarecer, exame de sangue oculto fecal positivo também têm indicação de realizar colonoscopia.

O que são pólipos? Como afetam o funcionamento intestinal?
Os pólipos são lesões (“verrugas”) na mucosa do cólon e se apresentam de diferentes tipos. São benignos, mas com potencial de virarem malignos (câncer). A chance de virarem câncer vai depender do tipo de pólipo, do tamanho e do tempo que ele existe. De forma geral, não afetam o funcionamento intestinal e são assintomáticos, por isso a importância da colonoscopia para diagnóstico dessas lesões.

Os pólipos devem ser retirados? Existe risco de uma evolução para o câncer?
Sim, os pólipos devem sempre ser retirados, quando possível, durante a colonoscopia e mandados para biópsia e análise histopatológica. O risco para evolução para câncer existe e vai depender do tipo, tamanho e tempo de duração que o pólipo está presente, genericamente falando.

Fezes finas podem indicar que algo está errado com o intestino?
Fezes finas e estreitas podem, por exemplo, ser um dos sintomas de cancro de cólon, ou seja, o cólon na parte inferior pode estar obstruído, o que significa que seu intestino está parcialmente bloqueado. Procure um especialista.


Diário de Cachoeirinha
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE