Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Mauro Blankenheim

O míssil do bem

"Esse míssil pode ser a sua arma para atingir tudo que o faz ser um ser indignado com o nosso status quo atual"
23/09/2018 07:00

Mauro Blankenheim Mauro Blankenheim é publicitário
mauroblankenheim.com.br

O poder que a ponta dos seus dedos carrega nos próximos dias pode ser entendido como um míssil, tal a sua energia, força e capacidade de mudar o cenário. Pode pôr fim à guerra ou maximizá-la. Esse míssil pode ser a sua arma para atingir tudo que o faz ser um ser indignado com o nosso status quo atual.

Ele pode ser dirigido para Brasília, com múltiplos efeitos. Alcançar posições estratégicas cultivadas pelo inimigo, seja ele qual for, use ele a capa que você suspeitar: deputado federal, senador e presidente, pra você ter uma ideia do vasto espectro de ataque que seu poderoso dedo pode produzir. Um dia ainda vamos votar pro STF.

Mas importante: nenhum dedo age sozinho. Eles são normalmente teleguiados por algo superior que se chama cérebro e por uma bomba afetiva chamada coração.

Você deve usar todas essas potencialidades para acionar o míssil do bem. Pensar intensamente, agir eticamente e indicar com o coração o que você mira. É uma oportunidade que nos foi sonegada por longos anos e que mais recentemente nos foi novamente viabilizada. Os mais jovens que nasceram votando nem se dão conta do valor deste valor.

Faça um exame recente da história brasileira. Examine os fatos. Analise os quadros que vivenciamos e, enfim, vote nos melhores quadros. Pesquise. Puxe pela memória. Puxe-se. Seja honesto com seu dedo. Mande-o para lugares nobres. Não insista no que não deu certo. No que está provado e comprovado. Parta para o novo. Não necessariamente o partido. O novo filosófico. O que pode mudar aquilo que até agora ninguém conseguiu ou quis mudar. Renovar ou inovar podem ser palavras-chave para oxigenar a Câmara, o Congresso e o Planalto. É preciso respirar numa nova atmosfera. A velha política já está pra lá de obsoleta, cheira mal e aparenta estar putrefata. A hora é de mudar. Mudar sem medo de ser feliz. Mudar de verdade, para usar bordões que contemplem todas as tendências.

De quebra, lhe são dadas mais duas oportunidades locais. Locais e regionais. Você pode fazer seguir a política que está vigendo em nosso Estado ou amputá-la. Você pode escolher seu novo agente dentro da Assembleia Legislativa. Existem boas opções para que possamos nos rodear de gente com vontade e capacidade de fazer o bem.

Enfim, nunca um só dedo teve tanto poder. Faça bom uso. Depois, se arrepender do erro não vai somar nada. É melhor se antecipar e justificar o voto com toda a propriedade. Ele pode mudar nosso mundo, e mudar sempre foi a palavra preferida dos políticos. Em suma, porque eles sabem que vidraça não é estilingue. Quem está lá, na chuva, como dizia um antigo dirigente de futebol, tá pra se queimar.


Diário de Cachoeirinha
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE