Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Habitação

Busca de solução para Granja

Prefeitura quer implementar programa do Governo Federal, que agiliza regularização
10/08/2018 10:51 10/08/2018 13:15


Kátia Freitas/Divulgação
Reunião audiência pública ocorreu no salão da Igreja Santa Luzia
Na noite do último dia 8 de agosto, o secretário de Assistência Social, Cidadania e Habitação, Valdir Mattos, o presidente da Câmara de Vereadores, Rubens Otávio, além de deputados, membros do Ministério Público e a advogada que representa as famílias da Granja Esperança participaram de mais uma audiência pública com moradores do bairro, no salão da Igreja Santa Clara, para tratar sobre a regularização fundiária. O titular da Assistência Social, Cidadania e Habitação salienta o esforço do poder público municipal em buscar uma solução. “A prefeitura está ao lado dos moradores, sempre estivemos presente nas negociações e em todas as reuniões. Além disso, fomos à Brasília conversar com a Emgea (Empresa Gestora de Ativos), com a Caixa e com o Ministério das Cidades, a fim de chegarmos a uma solução viável para a comunidade da Granja”, enfatiza o secretário.

Por isso, o município vem buscando soluções junto aos moradores, entre elas, o Reurb, programa do Governo Federal, em parceria com as prefeituras, que desburocratiza e agiliza a regularização fundiária urbana. O Reurb foi criado através da Lei Federal 13.465/2017, Decreto 9.310/2018, regulamentada através da legislação municipal.

Famílias sem condições

Ao todo são 1.632 famílias em situação irregular no loteamento, criado há cerca de 30 anos, numa negociação entre a Habitasul e a Cooperativa Habitacional São Luiz, que ficou inadimplente com o banco, gerando uma ação judicial de cobrança. As famílias deveriam pagar o valor da dívida, no entanto, a maior parte delas não tem condições de arcar com os custos.


Diário de Cachoeirinha
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE