Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Há 14 anos

O café da solidariedade que reúne centenas de pessoas

Rotary Cachoeirinha realizou mais uma edição do Café da Amizade, que beneficia a Apae e outros dois projetos da cidade
12/07/2018 09:48 12/07/2018 09:48


Fernando Lopes/GES
Café da Amizade reuniu centenas de pessoas nesta quarta
O Rotary Club Cachoeirinha realizou na tarde de ontem a 14ª edição do Café da Amizade, no salão da Igreja São Vicente de Paulo em Cachoeirinha. O evento reuniu centenas de pessoas que degustaram dezenas de produtos e ainda praticaram a solidariedade. De acordo com a presidente Ana Marley, o evento beneficia três projetos da cidade. “Além da Apae, o lucro é destinado ao banco de cadeiras de roda e também ao Comitê Viva Mulher, onde são pagos as biópsias para análise de câncer de mama”, afirma.

O chá começou há 14 anos. “A ideia era arrecadar fundos para o clube que estava precisando. Depois, ele foi transformado em um evento beneficente. Começamos com a Apae, depois outras entidades e ações foram incluídas. Em 2015 eu tive um câncer de mama, e sugeri que o clube abraçasse esta causa. Hoje, felizmente, graças ao café e outras ações, é possível proporcionar às mulheres a realização imediata das biópsias em caso de um possível diagnóstico da doença”, diz Cledi Vieira, do grupo de senhoras rotárias, responsável pelo café desde a primeira edição.

Fila de espera caiu de dois anos para dois meses

O lucro do Café da Amizade será dividido entre três projetos. Um deles é o do câncer de mama. O Rotary compra agulhas para a realização da punção que faz o diagnóstico de câncer e encaminha as pacientes para o Hospital Mãe de Deus em Porto Alegre. A primeira-dama Vanessa Morais afirma que esta parceria é essencial. “Esta é uma situação ímpar. Graças ao equipamento adquirido pelo Rotary, hoje Cachoeirinha tem uma situação muito diferente das demais cidades. O município é o responsável pela realização das mamografias, mas quando há a necessidade da biópsia, os pacientes dependem do Governo do Estado. A espera por uma biópsia chega a dois anos, infelizmente. Em Cachoeirinha, são dois meses, no máximo, o que permite uma chance de cura muito maior. O dinheiro que o café arrecada, fará com que mais mulheres tenham a chance de buscar a cura”, garante a coordenadora do Viva Mulher.

As heroínas


Fernando Lopes/GES
Rosélia é voluntária há 14 anos no evento
A presidente do Rotary, Ana Marley, diz que dentro do trabalho de preparação do chá, há algumas heroínas. “Há mulheres que todos os anos são voluntárias na produção do chá. Hoje você encontra elas aqui servindo bebidas, organizando a mesa e isso é muito bom”, conta. Uma delas é Rosélia Riva, 60 anos, professora (foto). Há 14 anos ela participa como voluntária do evento. “Participo porque gosto de trabalhar em prol dos que necessitam e tenho um grande prazer em ajudar o próximo”, conta.


Diário de Cachoeirinha
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE