Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Cada vez mais pesado

Botijão R$ 4 mais caro em Cachoeirinha

É preciso pesquisar para encontrar o preço mais em conta após nova alta
10/07/2018 21:18 10/07/2018 21:18

Moradora do bairro São Vicente, em Gravataí, Márcia Nogueira fez a gentileza de pedir um botijão de gás para a vizinha na semana passada. Deu R$ 72 a entrega. Ontem foi a vez dela precisar do gás. Pagou R$ 76 o P13. “Isso é um absurdo. Já está tudo tão caro. Precisava subir o gás de novo?”, reclama. A alta de 4,4% em vigor desde quinta-feira deixou o botijão de cozinha até R$ 4 mais caro em Gravataí e Cachoeirinha. Na Aldeia, a média é R$ 72 o botijão de 13 quilos enquanto na vizinha Cachoeirinha é possível achar por R$ 69.

“Parece que foi ontem que tinha subido o botijão. Ainda bem que a gente usa bastante o fogão a lenha lá em casa. Senão não sobrava nem para comer”, esbravejou a dona de casa Rita de Lourdes Lima. Calma dona Lourdes. Antes de tudo, é preciso pesquisar. Nossa reportagem ligou para várias distribuidoras das duas cidades e constatou o que a maioria já sabe: buscando na distribuidora, o gás sai mais em conta. “Se vier pegar, a gente dá aquele descontinho”, frisou Lara Machado, vendedora de uma distribuidora em Cachoeirinha em que o botijão passa de R$ 69 para R$ 64 se buscado pelo cliente. “Parece pouco, mas vale a pena.”

Use moderadamente

Tem que economizar, todo mundo sabe, entretanto ninguém melhor que um economista para falar do assunto. Alfredo Meneguetti adverte que não existe fórmula mágica. “O aumento do gás de cozinha afeta diretamente todas as famílias brasileiras, então algo tem que ser feito dentro de casa, entre os integrantes”, orienta. “A primeira é reduzir o tempo do banho para quem usa chuveiro a gás.”

É necessário também, segundo o economista, buscar o gás direto nas distribuidoras e fazer uso moderado na cozinha. “A dona de casa não vai deixar de cozinhar por causa do preço, mas o que ela pode fazer é organizar melhor seu tempo na cozinha”, explica. “E se der, coloque no roteiro uma passadinha na distribuidora. Sempre sai mais em conta do que esperar o caminhão com o botijão.”

Saiba mais

A Petrobras anunciou no último dia 4 o reajuste de 4,4% no preço do gás de cozinha vendido em botijões de 13 quilos. Segundo a estatal, o aumento reflete a desvalorização do real frente ao dólar, que acumula 16% nos últimos três meses. Vale lembrar que a alta no preço do gás em 2017 levou cerca de 1,2 milhão de residências brasileiras a adotar combustíveis alternativos como o fogão a lenha para cozinhar alimentos, conforme pesquisa divulgada pelo IBGE em abril.




Diário de Cachoeirinha
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE