Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Problemas

Sem água, não tem comércio na Eurípedes

Comerciantes se queixam que ficam sem abastecimento até mais de duas vezes por semana
14/06/2018 10:33 14/06/2018 10:33


Fernando Lopes/GES
Comerciantes se queixam das constantes faltas de água
Não tem uma semana que os comerciantes da rua Eurípedes Aurélio da Silva, no bairro Eunice, não sofram com a falta de água. Segundo eles, são pelo menos dois casos semanais e os horários são diversos. Na primeira quadra, que reúne cerca de 20 comércios, entre eles salões de beleza, pet shop, lavanderia e restaurantes, a situação é considerada insustentável por eles.

“Para o restaurante poder ficar aberto, temos que comprar água mineral até para lavar a louça, mas tem dia que não dá e fechamos”, conta Marcelo Domingues, proprietário de um restaurante. “Eu já fechei em função de não ser possível os clientes usarem o banheiro. Se torna muito anti-higiênico”, acrescenta Giulliano Lopes, dono de uma hamburgueria. “Em uma ocasião, não tínhamos como lavar a louça. Precisei fechar”, diz Gislaine Rosa, que também tem um restaurante.

Para quem trabalha na área da beleza, mais problema. “Você não tem água para lavar o cabelo, o cliente vai embora e não volta no outro dia”, garante Manoel Souza. “É complicado. Sem contar os problemas de higiene”, lamenta Tiago Silva, que tem uma barbearia enquanto a esposa mantém um café na região.

Em busca de solução

Rossano Ribeiro, proprietário de uma pet shop diz que já cansou de ir à Corsan pedir o que acontece. “Já nos disseram que o problema é uma adutora velha, que precisa trocar tudo, mas que ainda não fizeram licitação. Nós já estamos pensando seriamente em ir à Justiça porque quem fica com o prejuízo somos nós os comerciantes”, diz. Morador da rua há 40 anos, Nelson Müller também lamenta. “Se não é durante o dia, é quando a gente quer jantar ou tomar banho”.

O que diz a Corsan

Através da sua assessoria de comunicação, a Corsan enviou nota em que diz que “o abastecimento na referida região está normal. As recentes situações de desabastecimento decorreram de consertos de rede pontuais, os quais foram prontamente solucionados”, diz o texto.



Diário de Cachoeirinha
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE