Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Conciliação

Trump diz no Twitter que cúpula com Kim Jong-un pode acontecer

Americanos haviam criticado a postura da Coreia do Norte, afirmando que ainda eram muito ''raivososos''
26/05/2018 09:05 26/05/2018 09:10

AFP
Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump e o da Coreia do Norte, Kim Jong-Un
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse ontem à noite (25) pelo Twitter que seu encontro com o líder norte-coreano Kim Jong-un deve acontecer mesmo no próximo dia 12 em Cingapura.

"Nós estamos tendo conversas muito produtivas com a Coreia do Norte para restabelecer a cúpula, que, se acontecer de fato, provavelmente será em Cingapura na mesma data, dia 12 de junho, e, se necessário, será estendida para além dessa data", afirmou Trump, pela rede social.

Ontem, o presidente havia publicado uma carta também pelo Twitter anunciando que estava cancelando a cúpula por causa da "raiva tremenda e hostilidade aberta" da Coreia do Norte. Trump se referia às declarações do vice-ministro de Relações Exteriores norte-coreano, Choe Son-Hui, que dizia que os comentários do vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, eram "ignorantes e estúpidos".

Era uma referência às declarações de Pence de que o processo de desnuclearização da Coreia do Norte poderia seguir o modelo da Líbia.

Pouco depois, em evento na Casa Branca, Trump sinalizou a mudança de discurso. Naquele momento, já avisou que é possível que a reunião com o líder norte-coreano, Kim Jong-un, ocorresse no próximo 12 de junho "ou em uma data posterior".

O assessor de Segurança Nacional de Trump, John Bolton, já havia dito que a Líbia poderia ser usada como modelo para o processo norte-coreano, o que gerou descontentamento da parte da Coreia do Norte, já que, poucos anos depois do desarmamento nuclear da Líbia, em 2003, o líder do país Muammar Kadafi foi assassinado.


Diário de Cachoeirinha
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE