Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Mundo

Kim Jong Un admite pela primeira vez 'diálogo' com EUA

Programa nuclear vinha causando tensão entre países
10/04/2018 10:09 10/04/2018 10:15

AFP
Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump e o da Coreia do Norte, Kim Jong-Un
O líder norte-coreano, Kim Jong Un, admitiu publicamente, pela primeira vez, o "diálogo" com os Estados Unidos, informou nesta terça-feira (10) a agência oficial de notícias KCNA, no contexto do encontro de cúpula com o presidente americano Donald Trump.

Em reunião com funcionários do partido na segunda-feira, Kim apresentou um relatório "sobre o desenvolvimento dos últimos acontecimentos na península da Coreia", que inclui a cúpula com a Coreia do Sul prevista para este mês, revelou a agência de notícias norte-coreana.

Kim "realizou uma análise profunda e uma avaliação do desenvolvimento das relações entre o Norte e o Sul atualmente, e das perspectivas de um diálogo entre a RPDC e os Estados Unidos", informou a agência, utilizando o acrônimo oficial para designar a Coreia do Norte.

Como parte do inédito processo de diálogo entre Norte e Sul, Kim prevê se reunir com o presidente sul-coreano, Moon Jae-in, no dia 27 de abril. A distensão também tornou possível a perspectiva de uma reunião entre Kim e o presidente dos Estados Unidos, após meses de tensão a respeito do programa nuclear de Pyongyang.

Na segunda-feira (9), Trump afirmou que vai se encontrar com Kim Jong Un em maio ou no início de junho. Trump disse que mantém a esperança de alcançar "um acordo de desnuclearização" com Pyongyang.

"Tenho a esperança de que será uma relação muito diferente da que ocorreu durante muitos, muitos anos", afirmou o presidente americano.

Até a confirmação de detalhes mais concretos sobre a reunião entre Kim e Trump, muitos analistas demonstram ceticismo sobre o êxito de um encontro entre duas personalidades conhecidas pelo caráter imprevisível. Além disso, o evento aconteceria sem os meses de trabalho prévio geralmente registrados para cúpulas deste tipo.

Ainda não foram divulgados aspectos como a data exata e o local da reunião. Algumas fontes apontam países como a Mongólia ou a Suécia como potenciais sedes do encontro.


Diário de Cachoeirinha
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE