Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Aparelho digestivo

Dor no abdome pode ser pedra na vesícula

Problema ocorre quando há um desequilíbrio no armazenamento da bile
19/03/2018 15:42 19/03/2018 15:42

A função da vesícula biliar é armazenar a bile produzida pelo fígado, facilitando a digestão e a absorção de substâncias gordurosas no organismo. Porém, basta um desequilíbrio neste órgão para surgir um quadro de cálculo biliar – com a formação de pedras de tamanhos variados, em alguns casos com mais de dois centímetros. Um dos principais sinais que indica o problema é dor localizada na parte superior do abdome. “Podendo estar associada ainda com náuseas, vômitos ou sensação de plenitude pós prandial, ou seja, sensação de estufamento. Nas complicações, o paciente pode apresentar febre, icterícia (amarelão), alteração de urina ou fezes”, explica o cirurgião geral e oncológico Carlos Antonello. A maioria dos casos envolve pacientes do sexo feminino e fatores como obesidade, múltiplas gestações, pessoas com mais de 60 anos, anemia falciforme e emagrecimento rápido.

Fator de risco para câncer

Pedra na vesícula é o principal fator de risco para o câncer na vesícula biliar que é uma doença de alta letalidade, principalmente quando não se faz o diagnóstico precoce, ou quando o tratamento realizado é inadequado. Os especialistas indicados para estes casos são cirurgião do aparelho digestivo e cirurgião oncológico.

Toda a vesícula é retirada em cirurgia

Para a aposentada Irene Gasperin da Silva, 72 anos, de São Leopoldo, a confirmação de que estava com pedras na vesícula veio depois de muito tempo sentindo forte mal-estar após as refeições. “Comia e vomitava. Até a água voltava”, conta. Ela passou pela cirurgia de remoção da vesícula em janeiro deste ano.

A presença de cálculos biliares é a doença do aparelho digestivo com maior número de indicações cirúrgicas. No procedimento, toda a vesícula é retirada. “Não há problema em removê-la pois o organismo se readapta à nova situação”, explica o cirurgião Carlos Antonello. O processo pode ser feito através de minilaparoscopia, sem cortes, com o uso de vídeos e pinças muito finas. Em poucas horas o paciente é liberado.

Uma das possíveis causas para o cálculo biliar acontece quando a bile não consegue dissolver todo o colesterol excretado pelo fígado, isso faz com que o colesterol que resta lentamente se transforme em cristais e, enfim, forme pedras na vesícula.


Diário de Cachoeirinha
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE