Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Fraude

Ações da BRF despencam mais de 11% após nova fase da Carne Fraca

Ibovespa recua 0,47%; dólar comercial tem alta de 0,24%, a R$ 3,259
05/03/2018 13:50 05/03/2018 13:50

A nova fase da operação Carne Fraca fazem as ações da BRF despencarem mais de 14% neste segunda-feira (5), contribuindo para que a Bolsa brasileira opere em terreno negativo. O Ibovespa, principal índice do mercado local, recua 0,20%, aos 85.587 pontos. Já o dólar comercial tem leve alta de 0,15% ante o real, cotado a R$ 3,256.

Pela manhã, a Polícia Federal anunciou uma nova fase da operação Carne Fraca, que culminou na prisão do ex-presidente da empresa Pedro de Andrade Faria. A notícia é considerada por analistas como negativa para a empresa, que passa por um processo de mudança no Conselho de Administração a pedido de acionistas como Petros e Previ.

"A reunião do conselho para deliberar sobre o pedido dos fundos para a convocação de uma assembleia está prevista para hoje. A Petros e a Previ enviaram carta à empresa com proposta de chapa com dez nomes para o conselho", lembraram os analistas da XP Investimentos.

Os papéis da BRF recuam 14,72%, cotados a R$ 26,30. Outras empresas frigoríficas também enfrentam quedas relevantes. As da JBS caem 4,60% (R$ 9,54) e as da Marfrig, 1,58% (R$ 6,22).

Pesa ainda sobre os mercados a decisão do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de elevar as tarifas de importações de aço e alumínio para os Estados Unidos.

Entre os papéis mais negociados, os da Petrobras ianda conseguem se manter em terreno positivo. Os preferenciais (PNs, sem direito a voto) sobem 1,11%, cotados a R$ 21,75, e os ordinárias (ONs, com direito a voto) avançam 1,63%, a R$ 23,56. O petróleo no exterior opera em alta. O do tipo Brent sobe 0,61%, a UD$ 64,76 o barril.

Já os da Vale cai 0,91%, ainda influenciados pelo temor de mudanças nas taxas de importações nos Estados Unidos, que pressionam as ações de mineradoras e siderúrgicas em escala global. Entre os bancos, de maior peso na composição do índice, as preferenciais do Itaú Unibanco estão estáveis e as do Bradesco caem 0,20%. No caso do Banco do Brasil, o papel registra alta de 0,49%.

No mercado de câmbio, o "dollar index", que mede o comportamento da divisa americana frente a uma cesta de dez moedas, apresenta leve alta de 0,15%. Jefferson Luiz Rugik, analista da Correparti Corretora de Câmbio, lembra que o dólar hoje se fortalece em relação às moedas de emergentes.

"Internamente, o dólar vai acompanhando o movimento externo de sua congênere, mas a semana promete intensa volatividade, na esteira de uma agenda de "respeito" no exterior (dados de empregos nos Estados Unidos, decisão de política monetária na Europa) e da forte possibilidade da oficialização por parte do governo Trump da sobretaxa do aço", disse.


Diário de Cachoeirinha
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE