Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Cris Manfro

Desejo ou uma ordem

"Como pais, paramos de obedecer os nossos pais para passar a obedecer os filhos"
04/03/2018 06:12

Cris Manfro é psicóloga clínica, terapeuta de família e casal e mediadora familiar
acmanfro@terra.com.br

Essa semana eu terei o privilégio de estar falando para a comunidade de Dois Irmãos, numa iniciativa da paróquia São Miguel. Tive o privilégio de estar em outros momentos com a paróquia e posso dizer que estou em casa para falar de assuntos pertinentes e relevantes como a falta de autoridade dos pais e a dificuldade de valorização destes, a necessidade de limites para os filhos, a dificuldade dos filhos de obedecerem e valorizarem o que têm. O diálogo sobre medidas de proteção para os filhos, o desenvolvimentos de habilidades para o enfrentamento da vida e sobre a confusão que se faz hoje sobre filho desejar e filho ordenar.

Pais e filhos estão confundindo estas duas palavras: ordem e desejo. Para os filhos seus desejos passaram a ser considerados uma ordem, no sentido que os pais devem cumprir. É o que eu quero e ponto final! Alguns pais me dizem que não se sentem outra coisa do que um caixa eletrônico ou alguém a serviço de satisfazer os desejos dos filhos e isso porque eles estão mandando fazer e ai do pai ou mãe que ousarem desobedecer. Os pais confundem e não exercem um aspecto fundamental como pai que é dizer NÃO. Dizer NÃO é importante para o crescimento sadio dos filhos.

Eu entendo que nós queremos ser os melhores pais e fazer o melhor pelos filhos, afinal vivemos num mundo de competição onde filhos e pais são como cavalos de corrida, muito mais focados em performance do que em valores. Colocamos o mundo de cabeça para baixo, achando que o que os filhos nos pedem como pais temos que cumprir. Como pais, paramos de obedecer os nossos pais para passar a obedecer os filhos. Isso está muito errado. Eles determinam onde jantar, o que comer e controlam o controle da televisão. Sim, os filhos ditam as regras de como as coisas devem funcionar na casa. Estamos invertendo as coisas. Quando invertemos a autoridade ou a perdemos, nossos filhos e adolescentes correm risco e estão em perigo. Filhos com poder demais fazem bobagem.

É fundamental para que filhos fiquem protegidos colocar os pingos nos “is” como se diz no popular. Para isso é fundamental presença, amor, tempo e pais capazes de darem a direção. Principalmente através de atitudes e exemplos. Não existe método ou uma regra para filho obedecer e sim é preciso pais com boa auto-estima e firmeza. Que não tenham medo de dizer não e que vejam o filho como o maior patrimônio da vida. Pais não podem ser refém de seus filhos, com medo de perder o amor e a estima.

Todos estão convidados a participar, o evento é aberto, gratuito, e todos têm lugar na paróquia, que investe na saúde de suas crianças e no bem estar da comunidade. A mesma palestra será realizada em três dias: 7 e 8 de março, às 19h30. Dia 10, às 9h30. Informações: 3564-1140.


Diário de Cachoeirinha
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE