Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Cris Manfro

Abrir mão

"Desapegar é fundamental para dar movimento à vida"
18/02/2018 06:00

Cris Manfro é psicóloga clínica, terapeuta de família e casal e mediadora familiar
acmanfro@terra.com.br

Eu já li quinhentas vezes e você também da necessidade de treinar o desapego. Desapegar é fundamental para dar movimento à vida. Mas eu tenho que dizer que tenho uma dificuldade enorme de me desfazer até de potes de sorvetes que eu poderia usar para alguma coisa. Mas se desfazer e desapegar de coisas não é tão complicado como o processo de abrir mão de ideias, atitudes, sentimentos e relacionamentos. Não é fácil abrir mão, e viver requer abrir mão muitas vezes e de muitas coisas. Algumas vezes requer abrir mão de pessoas.

Quanto mais mandão, teimoso e rígido você for, mais terá dificuldade de abrir mão. Abrir mão de ideias muitas vezes ultrapassadas e retrógradas que não deixam você evoluir. Com um tipo de pensamento cristalizado que deixa você cheio de preconceitos e ideias que já caducaram. Abrir mão de certas atitudes que trazem sempre os mesmos resultados e que muitas vezes levam você bem ao oposto do que você quer, com resultados que você percebe que são negativos e, mesmo assim, você continua dizendo que é assim que você age e pronto.

Abrir mão de sentimentos que você teima em não deixar pra trás, como mágoa, rancor, raivas, revolta e dor. Tem pessoas que não abrem mão das suas dores. Ninguém gosta de viver em dor e triste, mas às vezes o sentimento de abrir mão da dor, dá espaço para algo muito mais assustador que é o sentimento de vazio. Então não é tão simples abrir mão da tristeza e de dores, principalmente se não se sabe o que colocar no lugar.

Não é fácil abrir mão de relacionamentos que já deram o que tinham que dar, ou que fazem mal, que envolvem pessoas tóxicas, que empacam a vida e o crescimento. É difícil abrir mão do que traz conforto, do que não requer responsabilidades. É difícil abrir mão de um tipo de vida quando você sabe que terá que encarar medos, ansiedades e o compromisso de ser porta voz de mudanças. Mudanças podem envolver pensamentos e sentimentos que não são fáceis de lidar como o pensamento de ser fracassado, incompetente, de ter falhado e ser incapaz.

Abrir mão de um tipo de vida, para uma nova vida, não é fácil quando você tem que desbravar caminhos desconhecidos. Abrir mão das coisas serem sempre como você quer, de ter razão, de ficar em guerra, para lutar por reconciliação. Abrir mão do idealizado para viver no real e sentir dor, mas com a liberdade de ter os pés no chão e voar. Para voar é preciso abrir mão do conhecido, de velhos padrões e se permitir. Abrir mão é exercício para a vida toda. A vida toda precisa que você possa abrir mão. Abrir mão está longe de ser perda. É conquista, liberdade e possibilidade. Perder pode ser ganhar. Mas, não abra a mão fácil demais... Ops! Este é outro artigo.


Diário de Cachoeirinha
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE