Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Temperaturas glaciais

Onda de frio deixa mais de 20 mortos na Europa

Estônia chegou a registrar temperatura de 29 graus negativos
28/02/2018 11:38 28/02/2018 11:39

  • Neve cai em guarda em Londres
    Foto: Tolga Akmen/AFP
  • Um homem anda ao longo de um pier coberto de gelo no Lago de Constança na Alemanha
    Foto: Steffen Schimidt/DPA/AFP
  • Pessoa caminha na margem do lago Neusiedl, parcialmente congelado, perto de Illmitz, na província mais oriental da Áustria
    Foto: Robert Jaeger/APA/AFP
A Europa seguia afetada nesta quarta-feira (28) pela onda de frio polar que matou pelo menos 24 pessoas e cobriu de neve algumas praias do Mediterrâneo.

Com temperaturas glaciais, de até 24 graus negativos em algumas regiões da Alemanha e de -29º C durante a noite na Estônia, as autoridades fizeram advertências sobre a população mais vulnerável, como idosos e moradores de rua. Várias cidades criaram refúgios de emergência e assistência para os mais necessitados.

A Polônia é o país que registra mais mortes em consequência da onda de frio, com nove vítimas fatais, seguida pela Lituânia, com cinco, e França, com quatro, incluindo um homem de 90 anos que foi encontrado sem vida na terça-feira na entrada de um asilo.

Três pessoas morreram na República Tcheca e duas na Romênia, incluindo uma mulher de 83 anos que foi encontrada na rua, coberta de neve. Um morador de rua faleceu na Itália.

Nesta quarta-feira, a previsão para a França é de 12 graus negativos na região norte do país e -6ºC no sul.

A Espanha deve registrar mais nevascas, incluindo a Catalunha, onde o transporte escolar foi cancelado. Em cinco ilhas do arquipélago das Canárias as autoridades suspenderam as aulas por um alerta de fortes ventos.

Enquanto no Ártico são registradas temperaturas acima de zero, um recorde de máxima, a onda de frio que afeta a Europa levou neve inclusive a ilha do Mediterrâneo como Córsega e Capri.

Cruz Vermelha

Algumas cidades belgas, como Etterbeek e Charleroi, autorizaram a polícia a prender os moradores de rua que se recusam a seguir para os abrigos.

A Cruz Vermelha, que mobilizou equipes de emergência em toda a Europa, fez um apelo para que as pessoas fiquem atentas aos vizinhos e parentes

"O simples fato de bater na porta de alguém para comprovar que tem todo o necessário pode fazer uma grande diferença. Pode, inclusive, ser a diferença entre a vida e a morte", afirmou a organização.

A Cruz Vermelha também iniciou uma campanha para arrecadar 10.000 cobertores na França. De acordo com um censo realizado na semana passada, pelo menos 3.000 pessoas dormem nas ruas de Paris.

Inglaterra

Na Inglaterra, onde uma forte nevasca afetou Londres na terça-feira, os tabloides batizaram a onda de frio de "A Fera do Leste", enquanto os holandeses optaram por "urso siberiano", que para os suecos é o "canhão de neve".

A companhia aérea British Airways cancelou 60 voos com pouso ou decolagem do aeroporto de Heathrow.

A meteorologia britânica informou que algumas comunidades rurais podem ficar isoladas durante vários dias pela neve e alertaram sobre a possibilidade de "longas interrupções no fornecimento de energia elétrica e de outros serviços como as redes de telefonia".

A Itália também sofre com as temperaturas gélidas. Muitas escolas e permaneceram fechadas e o serviço nacional de ferrovias registrou interrupções pela falta de equipamentos para retirar a neve, o que obrigou alguns funcionários a limpar as vias com as mãos.

A empresa russa Gazprom, principal fornecedora de gás na Europa, afirmou que nos últimos seis dias enviou quantidades recordes ao continente, com um pico de 667 milhões de metros cúbicos na segunda-feira.


Diário de Cachoeirinha
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE