Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
XYZ
Cinema

Apesar da badalação, Pantera Negra tem vários estereótipos

Apesar de ser um bem-vindo blockbuster com elenco afrodescendente, novo filme da Marvel repete clichês da África selvagem
25/02/2018 17:07 25/02/2018 21:03

Divulgação
Chadwick Boseman em cena do Pantera Negra, baseado nos quadrinhos da Marvel
Mais recente filme da Marvel, Pantera Negra já bateu recordes. Também está ganhando elogios por ser um inédito blockbuster com elenco majoritariamente negro, e mostrando uma nação africana fictícia (Wakanda, terra natal do protagonista) com tecnologia de ponta.

Esta aventura dirigida pelo afroamericano Ryan Coogler (Creed) dá continuação a eventos de Capitão América: Guerra Civil, filme no qual havia sido morto em um atentado o rei de Wakanda, pai de T’Challa, que vive o super-herói Pantera Negra. A história dá conta da transição de poder, em meio a uma perigosa intriga. Como em geral nos filmes da Marvel, Pantera Negra tem bastante ação e toneladas de efeitos especiais. Além do elenco, são destaques as belas paisagens e também alguns cenários e ideias futuristas.

Pantera Negra tem sido saudado como uma inovação em Hollywood. Quase todos os personagens são negros, e Wakanda é mostrada como uma moderna utopia africana. Há mulheres empoderadas e o mocinho tem orgulho de sua herança. Como Mulher Maravilha da DC, é um sopro de pluralidade no cinemão e discute, ainda que discretamente, o preconceito. Tudo isso é legal.

Apesar destas coisas positivas, vale a ressalva de que Pantera Negra não é exatamente a pérola multicultural que o marketing da Marvel/Disney tenta vender. O filme tem sua cota de estereótipos e, infelizmente, não escapa até de alguns preconceitos velados. Wakanda pode ser moderna, mas barbaramente ainda escolhe reis em duelos até a morte. A nação é dividida por conflitos tribais e quase todo mundo anda meio pelado e segurando lanças ou portando colares de dentes. Há diversos clichês de filmes africanos, com direito até a cenas meio Rei Leão. Portanto, não espere um filme de Spike Lee ou algo muito crítico. Afinal, é uma história de super-heróis. Divertida, pelo menos.

Tem duas cenas pós-créditos. A última tem um gancho para o filme dos Vingadores.


Diário de Cachoeirinha

XYZ

por André Moraes
andre.moraes@gruposinos.com.br

Assim como na tradicional coluna semanal de variedades do jornal ABC Domingo, o XYZ fala de cinema, tevê, quadrinhos, nostalgia e assuntos da cultura pop em geral. Informação e curiosidades com um toque de humor.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE