Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Crime macabro

'Os sete discípulos de Satanás': delegado mostra provas e fala dos envolvidos em ritual

Delegado diz que caso foi revelado por Deus e divulga os nomes dos acusados do ritual macabro
09/01/2018 07:47 09/01/2018 08:06

Juarez Machado /Juarez Machado /GES
Em coletiva à imprensa, delegado Fermino mostrou capa e máscara que teriam sido usadas por bruxo no sacrifício

Um forte componente religioso cerca o caso das duas crianças encontradas esquartejadas no bairro Lomba Grande, em Novo Hamburgo, em setembro passado. A começar pela motivação. A Polícia Civil confirmou ontem, em entrevista coletiva à imprensa, que foi ritual satânico. E, de forma surpreendente, destacou que usou a fé para desvendar o crime. “A revelação do caso foi dada por Deus”, frisou o delegado Moacir Fermino Bernardo, que responde pela Delegacia de Homicídios, no início da explanação. Ele divulgou os nomes dos acusados, a quem se referiu como “os sete discípulos de Satanás”. O caso é muito sério. Gravíssimo. Mas a apresentação da Polícia entra para o folclore.

Fermino ainda disse que o ponto de partida da investigação foi uma espécie de visão do além. “A revelação foi para dois profetas, que não posso dizer quem são.” Seriam pastores de uma igreja evangélica. Moacir é Adventista. E surgiu uma testemunha crucial, que afirma ter visto as crianças em parte do ritual. Ela contou ao delegado detalhes do sacrifício e delatou os principais envolvidos. Segundo Fermino, foram depois descobertas mais testemunhas, que enriqueceram as provas. “Essas pessoas deverão ser encaminhadas ao programa de proteção a testemunhas”, comentou.

O delegado também expôs trajes que teriam sido usados pelo bruxo durante o sacrifício. “Ele nos disse que não havia nada no cofre que apreendemos no templo. Depois de cinco horas, conseguimos abrir e encontramos essas peças”, destacou Fermino, com uma capa preta e uma máscara de lobo sobre a mesa. O policial acrescentou que também foi apreendido outro adereço do ritual. “Uma testemunha viu o menino com capuz escuro, rodeado de velas, e a menina desfalecida no chão. Encontramos um capuz, que vai à perícia. Pode conter sangue.”

  • Oferendas no Templo de Lúcifer
    Foto: NH/Reprodução
  • Ritual no Templo de Lúcifer
    Foto: NH/Reprodução
  • Pentagrama desenhado no chão do templo
    Foto: NH/Reprodução

Site do bruxo saiu do ar

Mestre Silvio possui um site com layout profissional, o Templo de Lúcifer, onde consta que é reconhecido como um dos quatro principais magos do mundo. A página, com vários links, foi tirada do ar ontem. Nela, o bruxo prega que Satanás é a salvação para a humanidade e propõe pacto com o diabo sob a promessa de uma vida melhor. Para ele, Lúcifer faz o bem. Pode, conforme divulga, ajudar a resolver problemas financeiros, amorosos e vícios em drogas. Também fala em vários tipos de rituais, mas não menciona sacrifício humano. “Constava no site que ele tinha sido condecorado pela ONU (Organização das Nações Unidas), mas ele apagou, porque sabe que pode ser processado”, observou Fermino.

NH/Reprodução
TEMPLO DE LÚCIFER: 'mestre Silvio' exibe o altar
."O rosto tomou a forma do demônio"

Quem acompanhou as buscas no templo relata cenas fortes. Uma delas no altar, na frente da imagem de Lúcifer, onde havia um crânio humano dentro de uma bacia com sangue em volta. Mas nada se compara ao descrito pelo delegado Fermino. O policial diz que, na frente do bruxo, já algemado, perguntou se Satanás não viria soltá-lo. “Nesse momento ele se revirou, se contorceu, e o rosto tomou a forma do demônio.”

"Trabalho volumoso e fundamentado", diz juiz

Responsável pela decretação das prisões temporárias há duas semanas, o juiz da Vara de Execuções Criminais (VEC) de Novo Hamburgo, Carlos Fernando Noschang Júnior, elogia a investigação da Polícia Civil. “O que chegou foi um expediente volumoso e fundamentado, em que se verifica intenso trabalho técnico, ouvindo testemunhas que presenciaram partes do episódio e a situação do empresário”, observa o magistrado, que estava no plantão. As preventivas foram decretadas na última sexta-feira pela juíza titular da Vara do Júri, Angela Dumerque.

Noschang acrescenta que a prisão temporária é para evitar que os acusados atrapalhem a investigação e também para ficarem à disposição da Polícia, que assim pode ouvi-los e explorar eventuais contradições. “Além disso, foram expedidos mandados para localização das cabeças e possibilidade de acesso a sigilo telefônico.” Ele salienta que se trata de um crime chocante e que a decisão judicial baseou-se em trabalho técnico de quatro meses de investigação. “Não houve menção a profetas e em nenhum momento se levou em conta elemento sobrenatural.”

Diretores também elogiam investigação

“Quando o Judiciário decreta as prisões preventivas, é porque já existem provas”, ressaltou o diretor do Departamento de Polícia Metropolitana (DPM), Fábio Motta Lopes, na abertura da coletiva à imprensa. Ele disse que a investigação está na fase final. “É uma situação que também nos choca como policiais. O pessoal não acreditava num primeiro momento que pudesse ser ritual satânico. Realmente houve sacrifício de duas crianças inocentes, que não são do Estado.” Outro delegado na mesa, o diretor da 3a Delegacia de Polícia Regional Metropolitana, responsável pelo Vale do Sinos, Rosalino Constante Seara, também enalteceu a investigação. “Nesses quatro meses houve atenção total de Delegacia de Homicídios e da 2a Delegacia de Polícia de Novo Hamburgo.” Depois deles, foi a vez da polêmica exposição de Fermino.

Mal-estar na cúpula da segurança

As exaltações de Moacir Fermino Bernardo sobre influências sobrenaturais na investigação, durante a coletiva na delegacia regional de São Leopoldo, o colocaram no centro de uma polêmica que desagradou a cúpula da segurança pública. No meio da tarde, o diretor do DPM foi escalado para nova coletiva. Desta vez na sede do departamento, em Porto Alegre.

“Não concordo com essas conclusões do delegado Fermino, mas a gente vive em um País que respeita as crenças religiosas. E elas não prejudicam em nada o inquérito, pois há provas testemunhais e técnicas”, declarou Lopes. Titular da 2ª DP de hamburguense, Fermino substituía o titular da Homicídios, Rogério Baggio Berbicz, que retorna hoje das férias e reassume o caso.

Polícia Civil /Divulgação
OPERAÇÃO: Fermino (de costas) desafia o bruxo depois de encontrar, na frente do altar, uma bacia com crânio humano e sangue
E ainda

A maior parte da coletiva trouxe informações já publicadas pelo Jornal NH nos últimos dias. O delegado confirmou que o ritual começou em uma igreja, onde Jair da Silva teria pingado gota de sangue em uma Bíblia aberta para renunciar a Deus. “Essa igreja fica no bairro Santo Afonso. Apreendemos várias Bíblias, que foram à perícia porque queremos achar o sangue dele.” As etapas seguintes foram no sítio em Lomba Grande e terminaram no templo, com o sacrifício dos irmãos.

O exame de sangue apontou que o menino, de 8 a 10 anos, tinha 5,2 mg de álcool por litro de sangue. O índice é tão alto que um adulto entraria em coma alcoólico. Já o corpo da irmã, entre 10 e 12 anos, apresentava sinais de quem lutou pela vida, como cortes nos braços. “A testemunha disse que o bruxo falava uma língua estranha. Acreditamos que era aramaico, antes do tempo de Jesus.” Pelas etapas do ritual, o sacrifício teria acontecido na noite de 29 de agosto, por causa da lua crescente.

O delegado disse ainda que o satanista é especializado em sacrifícios de crianças. “Não podemos ser ingênuos nem hipócritas. Ele fez isso por todo o Brasil com várias pessoas e outras crianças. Isso rende muito dinheiro para eles. É permitido dentro da religião deles.” Ele reiterou as sessões de canibalismo. “Comeram a carne e beberam o sangue dessas crianças.” Entre os investigados ainda não indiciados, conforme ele, está uma bruxa da região metropolitana.

OS ACUSADOS

“Os sete discípulos de Satanás”, como foram chamados pelo delegado, estão com prisão preventiva decretada. Fermino afirma que todos participaram do sacrifício dos irmãos. Depois do inquérito e do processo judicial, todos devem ir a júri popular na 1ª Vara Criminal de Novo Hamburgo.

Divulgação
PRESOS: Jair da Silva e o filho Andrei Jorge da Silva, o bruxo Silvio Fernandes Rodrigues e Márcio Miranda Brustolin
PRESOS

Silvio Fernandes Rodrigues, conhecido como mestre ou bruxo, é dono do templo satânico na localidade de Morungava, em Gravataí. Quando consultado sobre um ritual de prosperidade, teria pedido R$ 25 mil e duas crianças de mesmo sangue. É acusado de conduzir o sacrifício. Foi capturado na tarde de 27 de dezembro no templo.

Jair da Silva, o Jair dos Porcos, é apontado como contratante do ritual. Segundo a Polícia, encomendou o sacrifício para prosperidade nos negócios, principalmente na venda de terrenos no bairro Lomba Grande. Os corpos mutilados foram encontrados na frente da propriedade dele, na Estrada Porto das Tranqueiras. Tem criação de suínos e uma espécie de depósito de máquinas e carros velhos no sítio onde mora.

Andrei Jorge da Silva, filho de Jair, foi capturado com o pai no sítio da família em Lomba Grande, na tarde de 27 de dezembro.

Marcio Miranda Brustolin é o último dos presos. Foi capturado na última sexta.


Divulgação
FORAGIDOS: Anderson da Silva, Paulo Ademir Norbert da Silva, e Jorge Adrian Alves, o argentino
PROCURADOS

Jorge Adrian Alves, o argentino, é acusado da compra das crianças na região de Corrientes, na Argentina, com um caminhão roubado, que seria um Mercedes-Benz branco. Trabalha para Jair da Silva e, segundo a Polícia, é foragido por outros crimes.

Paulo Ademir Norbert da Silva, o Paulo Dimas, sócio de Jair da Silva em empreendimentos imobiliários. Conforme a Polícia, pagou a metade dos R$ 25 mil e tinha sido preso em setembro por estelionato, acusado de vender terrenos ilegais em Lomba Grande.

Anderson da Silva, outro filho de Jair, teria conseguido escapar no momento da prisão do pai e do irmão.

DENUNCIE

WhatsApp
(51) 98416-8902

Denúncias também no e-mail novohamburgo-dhpp@pc.rs.gov.br






Diário de Cachoeirinha
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE