Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Exposição

Alunos reproduzem igrejas barrocas através de maquetes

Trabalhos dos primeiros anos do Ensino Médio trouxe a teoria para a prática
07/02/2018 10:56 07/02/2018 10:57


Fernando Lopes/GES-Especial
Maquetes estão expostas na escola
Estudar a arte barroca dentro da literatura nem sempre pode ser estimulante para os alunos. Mas na Escola Mascarenhas de Morais, os alunos das seis turmas do primeiro ano do Ensino Médio acharam uma maneira interessante de unir a arte à literatura. Depois de estudar o conteúdo, eles resolveram colocar a mão na massa e reproduzir as igrejas do período que iniciou em 1.500. “Mesmo no final do ano letivo e com muitos trabalhos para a conclusão, os alunos se empenharam muito. Foram pelo menos três semanas para a elaboração das maquetes e o resultado não poderia ser melhor. O empenho dos alunos foi muito grande”, afirma a professora Jacqueline Nunes, responsável pela disciplina.
Ela acrescenta que a literatura envolve muita teoria e que nem sempre é possível aliar a prática ao desenvolvimento dos trabalhos. “A ideia das maquetes foi dos próprios alunos e foi um trabalho muito bonito”, acrescenta.

Satisfação


Fernando Lopes/GES-Especial
Alunos trabalharam durante três semanas para encerrar o projeto
Para os alunos, a experiência valeu bastante. Além da pesquisa ao referencial histórico, eles surpreenderam pela qualidade do trabalho. “Muito interessante poder juntar o contexto histórico à teoria. Foram dias de muita pesquisa. Sugeri a ideia das maquetes porque acho que a gente sempre pode aprender mais desenvolvendo o trabalho”, afirma Yasmin Pons, 15 anos.

Julia Meireles, 16, reproduziu a igreja da cidade natal dos pais e levou uma semana para fazer. “Deu muito trabalho, mas o resultado valeu bastante. O legal é aprender desta forma”, diz. “O envolvimento, planejamento para que tudo ficasse pronto foi muito legal. É uma forma muito interessante de aprender”, garante Mariana Larri, 16 anos.


Diário de Cachoeirinha
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE