Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Para os leitores

Parada 52 vai virar um ponto de leitura

Iniciativa da Quitanda da Leitura vai deixar livros à disposição da comunidade
05/12/2017 11:39 05/12/2017 11:39


Diléa Fronza/GES-Especial
Ponto de leitura vai ser instalado na parada 52
Quem conhece a jornalista Sônia Zanchetta sabe que ela costuma dizer uma frase com bastante frequência. “Os livros têm que circular”, o texto repetido por ela tantas vezes, agora vai ter um novo significado. Sônia, que é a responsável pelo projeto Quitanda da Leitura, adotou a parada de ônibus que fica na 52 e vai transformar o local num ponto especial para os leitores.

No final de semana, a prateleira para os livros já foi instalada. O Parada da Leitura vai usar a estrutura já existente e que antes era utilizada para a colocação de propaganda para colocar os livros. A obra está sendo feita pelo marceneiro Luciano Ferrari.

Para que a parada pudesse ser um ponto de leitura, Sônia entrou em contato com a Prefeitura pedindo a cessão do local. A Procuradoria Geral do Município fez um termo de cessão da parada para a transformação da mesma em um ponto de leitura. A partir daí foi colocar a mão na massa para adequar o local para receber as obras.

Cada um faz um pouco

Sônia escolheu a parada 52 por ser a mais próxima da sua casa e ficar mais fácil de cuidar e também porque nas proximidades há câmeras de segurança, o que deve evitar o vandalismo. Mas o trabalho não está sendo feito sozinho. Além do marceneiro Luciano, a Parada da Leitura conta com a colaboração da loja que fica atrás da parada de ônibus. “Quando a Sônia nos procurou, nós topamos na hora ajudar porque esta parada está precisando de atenção. Já havíamos comprado algumas lixeiras e colocado aqui porque as pessoas acabam jogando tudo no chão. Agora faremos o que for possível para manter o projeto funcionando”, diz Sérgio Weiss, gerente da loja.

A empresa doou as tintas e está auxiliando no que for possível. Seguindo o cronograma de obras previstas, a Parada da Leitura deverá ser inaugurada no próximo dia 19, quando tudo já deverá estar pronto.

Como vai funcionar

Ainda faltam alguns detalhes para que a parada fique pronta. Neste domingo, foram instaladas as prateleiras e limpado o lugar que recebeu pintura. Ainda será preciso terminar o local onde as obras irão ficar com a colocação de adesivos e uma proteção para os dias de chuva. Quando tudo estiver pronto, os livros serão deixados no local. Sônia pretende repor as obras diariamente. “Os livros estarão à disposição de quem passar por aqui. Podem ler na parada, levar no ônibus, para casa, trocar por algum que já foi lido. O importante é manter as obras circulando e preservar o local para que as pessoas tenham a oportunidade de ler e levar para casa. Já teve algumas pessoas dizendo que não vai dar certo, mas se em tantos outros lugares já deu, por que aqui não pode?”, questiona. As pessoas poderão levar os livros para casa e também deixar outras obras à disposição dos leitores.

A Zenaide já levou um livro


Diléa Fronza/GES-Especial
Zenaide nem esperou o ponto de leitura inaugurar e já garantiu o seu livro
Nesta segunda-feira (4), Sônia fez um teste com alguns livros. Enquanto organizava, os primeiros leitores surgiram. Caso da aposentada Zenaide Nunes. Aguardando o ônibus, a moradora do bairro Ponta Porã não escondeu a sua satisfação com a novidade. “Eu gosto muito de ler. Sempre que estou de aniversário peço para as pessoas me darem livros e não coisas inúteis. Também troco e doo bastante, para poder manter uma certa quantidade de livros e sempre ter o que ler. Fiquei muito feliz ao ver que agora vai ter livros em uma parada de ônibus”, diz.

Zenaide diz que o neto mora em São Paulo e sempre comenta que lá há livros por toda a parte. “A gente precisa da cultura. Fico feliz em saber que na nossa cidade agora vai ter mais oportunidade para as pessoas lerem”. Enquanto conversava, ela olhava os livros dispostos na prateleira. Escolheu um e levou. A obra ia ser o companheiro dela de viagem - enquanto o registro com o livro quase não saiu porque se não ela perderia o ônibus.


Diário de Cachoeirinha
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE