Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Amazonas

Casal se reconcilia em audiência para discutir pensão alimentícia

Desfecho do caso mostrou que havia faltado oportunidade de conversar no período de separação e buscar entendimento, diz juíza
06/12/2017 09:04 06/12/2017 09:08

TJAM/TJAM/Divulgação
Casal tem filho de seis meses
Era para ser uma audiência de conciliação para discutir pensão alimentícia, a última marcada para o dia na pauta da Vara Única do Careiro Castanho (a 88 quilômetros de Manaus). Mas para a surpresa da equipe e da juíza Sabrina Cumba Ferreira, que presidia a audiência, o ex-casal que figurava como parte no processo, formado por uma dona de casa e um vigilante, optou pela reconciliação.

Após uma convivência de seis anos, o casal se separou e a dona de casa, grávida, deu à luz o bebê, agora com seis meses. Decidiu, então, ingressar na Justiça com uma ação de alimentos para o filho. Após a separação, a mulher ficou morando no município de Careiro. Enquanto isso, o ex-marido optou por permanecer em Manaus.

Para a juíza titular, o desfecho do caso mostrou que havia faltado uma oportunidade ao casal de conversar no período de separação e buscar se entender. “É uma situação rara, eles pareciam muito felizes ao final da audiência. Estávamos encerrando as audiências de questões de família marcadas para a tarde de ontem (30 de novembro) e foi algo realmente bem diferente. No momento que os dois sentaram para darmos início à audiência, eu perguntei se havia possibilidade de acordo e era perceptível que ele já estava bem intencionado. Acredito que, devido a distância, eles não se falavam, faltava somente uma oportunidade dos dois conversarem e isso aconteceu na sala de audiências”, explicou a magistrada Sabrina Cumba.


Diário de Cachoeirinha
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE