Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Caso do bunker

Raquel Dodge pede tornozeleira eletrônica para deputado irmão de Geddel

Procuradora-geral da República pediu também recolhimento noturno e prisão domiciliar para a mãe dos dois
05/12/2017 15:12 05/12/2017 15:14

Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Deputado Lucio Vieira Lima
A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu que o Supremo Tribunal Federal (STF) decrete de forma cautelar o recolhimento noturno com monitoramento eletrônico do deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA), irmão de Geddel Vieira Lima. O pedido foi feito em um documento que acompanha a denúncia feita contra os dois pelo caso do bunker com R$ 51 milhões descoberto pela Polícia Federal.

Dodge também solicita prisão domiciliar com monitoramento eletrônico de forma imediata para Marluce, mãe de Lúcio e Geddel. O relator do caso é o ministro Edson Fachin, que pode determinar as medidas de forma monocrática ou submeter à Segunda Turma do STF.

Para sustentar a necessidade das medidas imediatas, Dodge destacou que dois funcionários do parlamentar lotados para atuar em Salvador (BA) prestariam serviços para a mãe do deputado e não para a Câmara.

"Assim, são pelo menos dois secretários que ainda recebem dos cofres públicos e trabalham na residência de Marluce Vieira Lima. A acusada e seu filho Lúcio Quadros Vieira Lima, portanto, dão perenidade a uma realidade criminosa e lesiva à moralidade e aos cofres públicos que precisa ser freada pela imposição de unia medida cautelar", argumenta Dodge.

A acusação de que os dois servidores trabalham para a mãe do parlamentar se baseiam nas acusações feitas pelo ex-assessor Job Ribeiro Brandão, que colabora com as investigações, e documentos que comprovariam o repasse de parte dos salários recebidos a integrantes do clã Vieira Lima. Dodge pede um novo inquérito para investigar essa acusação.

A procuradora-geral pede que seja exigido de Lúcio a título de fiança o depósito de R$ 374,8 mil (400 salários mínimos). O mesmo valor é solicitado em relação a Marluce. Dodge pede ainda o sequestro de R$ 12,7 milhões em bens dos Vieira Lima por meio da indisponibilidade de cotas em sete empreendimentos imobiliários.

No mesmo documento, Dodge pede ainda a soltura de Gustavo Ferraz, aliado dos Vieira Lima que foi preso por ter suas digitais no dinheiro apreendido no bunker. Ferraz está em prisão domiciliar e negocia delação premiada. Para a procuradora-geral, ele não oferece "risco" à investigação.


Diário de Cachoeirinha
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE