Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Com fogos e bailes

Coreia do Norte organiza grande celebração por lançamento de míssil

Lançamento provocou indignação do governo americano, que garantiu que o regime de Kim Jong-un será 'totalmente destruído'
02/12/2017 15:04 02/12/2017 15:06

KCNA VIA KNS/KCNA VIA KNS/AFP
Kim Jong-Un, líder norte-coreano
A Coreia do Norte organizou uma mobilização multitudinária nas ruas para celebrar o lançamento do último míssil - informou a imprensa oficial de Pyongyang neste sábado (2), acrescentando que a celebração incluiu fogos de artifício e bailes.

Na capa, o jornal do Partido dos Trabalhadores, Rodong Sinmun, publicou fotografias que mostram milhares de soldados aclamados pela multidão reunida na praça Kim Il-Sung de Pyongyang, decorada com gigantescos retrados dos líderes do país.

"De todo coração, celebramos o bem-sucedido lançamento do (míssil) Hwasong-15 que mostra para todo mundo o poder da Coreia do Norte e sua grandeza", dizia um dos cartazes carregados pelos militantes.

A Coreia do Norte testou com sucesso um novo míssil balístico intercontinental. Depois desse evento, o líder Kim Jong-un disse que o país alcançou sua meta de se tornar uma potência nuclear.

O lançamento provocou indignação do governo americano, o qual garantiu que o regime de Kim Jong-un será "totalmente destruído".

Kim não assistiu às celebrações, como é tradição, mas o ato de sexta-feira reuniu os principais líderes militares, do partido e do governo.

"Longa vida ao general Kim Jong-un que nos trouxe o status nuclear", dizia outro cartaz.



Diário de Cachoeirinha
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE