Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
90-90-90

Brasil está perto de metas da ONU no diagnóstico, tratamento e controle do HIV

Estima-se que 830 mil brasileiros tenham o vírus
27/11/2017 00:27 27/11/2017 00:28

O Brasil avançou no diagnóstico, tratamento e controle do vírus HIV nos últimos quatro anos, aponta o Relatório de Monitoramento Clínico do HIV, divulgado pelo Ministério da Saúde na última semana, que avalia metas da Organização das Nações Unidas (ONU) para 2020. De acordo com o documento, estima-se que 830 mil brasileiros tenham o vírus – 84% foram diagnosticadas com o HIV e 72% estão em tratamento. Destes em tratamento, 91% já estão com carga viral suprimida, são as chamadas “pessoas indetectáveis”. Essa proporção é 6% acima da observada em 2012 (85%).

O relatório avalia as metas 90-90-90: 90% das pessoas vivendo com HIV diagnosticadas. Destas, 90% precisam ter aderido à terapia antirretroviral e, destas, 90% devem estar com a carga viral zerada no sangue. As metas foram instituídas, em 2014, pelo Programa das Nações Unidas para Aids (Unaids).

Ainda há desafios

Com dados de 2012 a 30 de junho de 2017, o relatório mostra que o Brasil aumentou em 18% o índice de diagnóstico de pessoas portadoras do vírus HIV e, em 15% a quantidade de soropositivos que fazem tratamento médico regular. No entanto, o documento mostra a maior vulnerabilidade entre os jovens. Na análise das metas 90-90-90 estimou-se que apenas 56% das pessoas de 18 a 24 anos diagnosticadas estavam em tratamento, e desses, menos da metade apresentavam supressão viral. Outro desafio a ser enfrentado refere-se a adesão à terapia. Os dados indicam que 70% das pessoas vivendo com HIV apresentavam adesão suficiente. Porém, a taxa de abandono ou interrupção do tratamento de 9% se mantém constante desde 2013. Além do tratamento, o País investe em campanhas de prevenção ao vírus, incentivando o uso de preservativo nas relações sexuais.


Diário de Cachoeirinha
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE