Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Odontologia

Dente do siso: vilão ou mocinho?

Falta de espaço é considerada um dos principais motivos para a remoção
02/10/2017 10:27 02/10/2017 10:27

Por muitos anos, o terceiro molar, mais conhecido como “dente do siso” ou “dente do juízo”, era extraído sem motivo aparente. No entanto, a extração deve ser feita apenas após a avaliação e recomendação de um profissional. “Por ser o último dente a nascer, em pessoas nas faixa dos 16 e 20 anos, normalmente não há espaçamento suficiente na boca para acomodá-lo”, comenta a dentista Érika Vassolér, consultora de higiene bucal da Condor.

A falta de espaço é considerada um dos principais motivos para a remoção, pois os dentes ficam presos embaixo do tecido gengival, de outros dentes ou até mesmo junto ao osso, provocando inchaço e dor. A demora na retirada do dente do siso pode provocar ainda uma inflamação moderada nos tecidos moles circundantes, chamada infecção pericoronária. Por isso, é preciso ficar atento aos sinais de alerta: fortes dores na face próximo à mandíbula, inflamação ou inchaço na gengiva, dor de dente aguda, mau-hálito (halitose) e limitação ao abrir a boca. “Nestes casos, é fundamental procurar um profissional qualificado para diagnosticar o problema e o tratamento a ser feito”, fala Vassolér. Apesar de ser um problema simples, a condução incorreta do procedimento ou a demora em realizar a retirada pode levar a complicações graves.

O diagnóstico é feito por meio de um raio X panorâmico da boca. A pequena cirurgia é realizada no consultório do dentista e dura entre uma e três horas, dependendo da gravidade.

Dicas pós-extração

  • Dê preferência a alimentos gelados ou mornos, como sopas ou sorvetes;
  • Após o procedimento, mantenha uma dieta leve durante os primeiros sete dias;
  • Evite mastigar alimentos duros, principalmente no local operado;
  • Evite o consumo de bebidas alcoólicas;
  • Evite o uso do tabaco;
  • Coloque uma bolsa de gelo na região da extração três vezes ao dia para diminuir o inchaço e as dores;
  • Utilize os medicamentos recomendados pelo dentista;
  • Em casos de febre, inchaço, sangramentos e dores além do normal, recomenda-se retornar ao dentista rapidamente.

Diário de Cachoeirinha
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE