Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Pediatria

Cerca de 40% das crianças gaúchas têm anemia nos primeiros anos de vida

Alimentação industrializada é um grande vilão, juntamente com as restrições alimentares, diz hematologista

A falta de uma rotina de alimentação equilibrada faz com que 40% das crianças gaúchas apresentem quadro de anemia nos primeiros anos de vida, de acordo com a hematologista e hemoterapeuta Liane Esteves Daudt, médica associada da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul (SPRS). O assunto é considerado um problema de saúde pública. “É preciso pensar nas condições de desenvolvimento das pessoas. A alimentação industrializada é um grande vilão, juntamente com as restrições alimentares”, relata Liane.

A doença pode ser silenciosa, o que reforça a importância da prevenção. “Os principais sintomas que as crianças apresentam é a palidez. Depois, muda o perfil de alimentação, com vontade de comer terra e pedra, por exemplo. É uma doença que pode ser muito perigosa, pois altera a capacidade cognitiva das pessoas”, explica.

Para evitar a anemia, é preciso caprichar nos cuidados com a alimentação, com uma comida equilibrada e que contenha carne. Outro conselho da médica é o aleitamento materno, que ajuda a prevenir a doença.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE