Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
Palpites de Mãe
Puro amor

André chegou para a alegria da família

Bebê nasceu no último dia 15 de agosto cheio de saúde
24/08/2017 17:15 02/10/2017 09:18


Danibat Fotografia/Divulgação
Família completa: Paloma, Luis Felipe e o pacotinho André
A Paloma interrompeu a sua licença maternidade para nos contar como foi o dia mais especial. Confira como foi o nascimento do André.

Então chegou o dia marcado pela médica obstetra para irmos ao hospital. Confesso que as 48 horas que antecederam foram um misto de felicidade e saudade de estar grávida e, claro, uma pitada de medo pelo desconhecido. Como sabem, tive diabetes gestacional. Assim, o parto do André foi marcado para a 39ª semana de gestação.

Como ele estava posicionado (ou seja, de cabeça para baixo), mas não encaixado (no canal para nascer), optei por tentar induzir o parto normal. Cheguei às 7 horas ao hospital, como combinado com a médica, e sabia que, se nada acontecesse, ele nasceria de cesárea, às 20 horas (previamente marcada).

O processo

Preparação, monitoramento do bebê, acesso venoso para a entrada da ocitocina cinética - um hormônio produzido pelo corpo na hora do parto, que provoca contrações, fazendo assim a dilatação, e estimulando o bebê a nascer (em uma explicação a grosso modo).
Tentamos por cerca de cinco horas que eu tivesse as contrações. Sim, eu tentei provocar a tal dor que muitas mulheres têm medo, para que o André nascesse sem intervenção cirúrgica, mas não tive o resultado esperado.

Não senti a dor, não tive dilatação e, em concordância com a minha médica, Clarissa do Amaral, decidimos antecipar a cesárea para a tarde, já que naquele dia, poucos bebês resolveram nascer, deixando o ambiente mais tranquilo.

A cirurgia


Arquivo Pessoal
André nasceu com 3,860 kg e 51 centímetros
Sempre pensei que o nascimento do meu filho seria da melhor forma para ele e para mim. Tenho a sensação de dever cumprido. Fiz minha parte, tentei o parto normal e não consegui. Paciência.

Meu maior medo, agora, era a anestesia. Agulha nas costas não era algo que me deixava confortável. Era só preconceito. Além de não ter sentido dor, foi tudo muito rápido, sem reações e com boa recuperação.

Pano na frente, pernas adormecidas, tudo certo. Vamos lá.

O nascimento



Danibat Fotografia/Danibat Fotografia/Arquivo Pessoal
Bebê chegou para completar a família
André nasceu às 15h49, pesando 3,86kg e 51 centímetros. Meu marido, Luis Felipe, ficou o tempo inteiro comigo, acompanhou tudo. Posso garantir que confiar na equipe médica e ter o apoio de quem se ama, faz toda a diferença.

A emoção é indescritível. Parece até clichê, mas ouvir o choro pela primeira vez é a emoção mais pura que já senti.

Nossa recuperação está ótima. André hoje tem 10 dias de vida e as descobertas são muitas... Amamentação, cuidados.

Porém, agora, é hora de dedicação total ao pequeno. Na volta da licença maternidade, continuo contando minhas experiências. Até.


Diário de Cachoeirinha

Palpites de Mãe

por Paloma Vargas
paloma.vargas@gruposinos.com.br

Paloma Vargas é repórter dos jornais Correio de Gravataí e Diário de Cachoeirinha. Nesta nova fase de sua vida, em que espera a chegada do André, ela dividirá a experiência de ser mãe de primeira viagem neste blog, e também, quinzenalmente, nas páginas impressas do CG e do DCA.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE