Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

PUBLICIDADE
Miki Breier

Governo e oposição avaliam os 100 dias

Prefeito destaca metas cumpridas e oposição critica gestão

Katterina Zandonai/GES-Especial
Partidos: da oposição apresentaram uma avaliação dos 100 dias do governo Miki Breier
A Prefeitura de Cachoeirinha apresentou nesta quarta-feira um balanço dos 100 primeiros dias de governo. Segundo a administração municipal, das 72 metas estabelecidas, 79,17% foram cumpridas e o restante deverá ser concluída no máximo até o próximo mês.

De acordo com o prefeito Miki Breier, o governo está focado no plano de trabalho para atender cada vez melhor a população. “Cada secretaria foi avaliada e algumas metas foram estabelecidas. Muitas ficaram prejudicadas por causa da paralisação dos servidores, outras pela burocracia, mas é importante salientar que estamos constantemente buscando melhorias e investimentos para a cidade.”

Realizações 

O governo destaca o avanço em diversas áreas nesse período:

- Extinção de sete secretarias, o que equivale a uma redução de 2,5 milhões por ano;

- Devolução de prédios alugados, com economia de 100 mil/ano;

- Revogação da lei que concedia isenção para construtoras de casas populares, o que gera um valor imensurável;

- Renegociação da dívida vencida, sem acréscimo de encargos, com fornecedores de serviços essenciais para serem pagas em 10 vezes;

- Criação da Prefeitura com a Gente e do Conselho Municipal de Desenvolvimento e Acompanhamento da Gestão (Condesag);

- Fim do expediente somente interno na Smed e ampliação do horário de atendimento a população;

- Realização de convênios com creches comunitárias para atendimento de 400 crianças;

- Aquisição de duas novas ambulâncias para o SAMU;

- Criação do Centro Integrado de Comando e Controle (CICC);

- Projeto Verão Cultural para 3 mil pessoas.

Partidos de oposição avaliam o governo

Na manhã desta quarta-feira, representantes dos partidos PT, PSOL, PC do B e Rede apresentaram uma avaliação dos 100 dias do governo Miki Breier na sede do Sindicato dos Metalúrgicos.

O presidente do PT, David Almansa, entende que a atual administração não apresentou até o momento soluções para os problemas da cidade. “O que foi possível ver até agora é a precarização do serviço público e do trabalhador, o que está afetando diretamente a qualidade dos serviços. As ações deste governo desencadearam a maior mobilização social da última década na cidade.”

O porta-voz da Rede, Rafael Velho, acredita que há na cidade um inchaço da máquina pública. “Temos a segunda menor extensão territorial do Estado e o prefeito com o salário mais alto do país. É preciso rever diversas questões para construir caminhos sustentáveis.”

Para Serafim Sanches, presidente do PC do B, falta diálogo por parte do atual governo. “Apoiamos a greve dos servidores, que estão lutando por seus direitos. É necessário se unir para poder ver avanços na área da educação, saúde e principalmente segurança.”

O vice-presidente do PT, Volnei Borba, frisa que a cidade está vivendo um período crítico. “Temos os piores indicadores do país e estamos pagando essa conta. É preciso pressionar e exercer cada vez mais um espírito crítico.”

A presidente do PSOL, Ester Ramos, conclui que o objetivo da oposição é contribuir dando sugestões e que o relatório com os apontamentos será entregue ao governo com o intuito de sinalizar melhorias. “Não iremos ser uma oposição irresponsável. Queremos ajudar a tornar a cidade cada vez melhor. Não estamos contra o governo, estamos a favor da população.”

As demandas da oposição

- Não foram apresentadas propostas para o fim das filas nos postos de saúde durante as madrugadas e o teleagendamento não teria saído do papel;

- O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) ficou abaixo da meta e Cachoeirinha caiu no índice de evolução do aprendizado;

- Alto valor da tarifa de ônibus;

- Centralização de medicamentos na farmácia central e falta de remédios;

- A UPA do bairro Jardim do Bosque encontra-se com obras paralisadas;

- Redução do número de equipes do programa Saúde da Família;

- Altos salários do prefeito, vice-prefeito e secretários;

- Pacote com mudanças estruturais no plano de carreira dos servidores;

- Inexistência de diálogo, apresentando propostas já recusadas pelos municipários em greve.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS