Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

PUBLICIDADE
Leilão na Bovespa

Grupo alemão arremata concessão do aeroporto Salgado Filho

Fraport administra alguns dos maiores terminais do mundo

Camila Domingues/Palácio Piratini
Vista aérea do Aeroporto Salgado Filho
O grupo alemão Fraport venceu a disputa pela concessão do aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre, no leilão realizado esta manhã na BM&FBovespa, em São Paulo.

Responsável pela administração de nove aeroportos, incluindo o de Frankfurt, na Alemanha, e o de Lima, no Peru, o grupo arrematou o terminal gaúcho por 290,512 milhões de reais (o lance mínimo era de 31 milhões de reais).

A concessão da operação do Salgado Filho tem prazo de 25 anos (os demais terminais leiloados hoje, de 30 anos).

O Salgado Filho foi disputado pelo Fraport com a suíça Zurich. No total, foram ofertados oito lances para Porto Alegre.

Os quatro aeroportos oferecidos pelo governo federal foram arrematados por três grupos europeus. O grupo Fraport ainda levou o aeroporto de Fortaleza comum lance de 425 milhões de reais (o mínimo era 360 milhões de reais). A concorrente neste ativo era a francesa Vinci e, no total, foram dados seis lances pelo terminal.

Já o terminal de Salvador ficou com a francesa Vinci por 660,943 milhões de reais. A Vinci foi a única proponente interessada no aeroporto baiano e, portanto, não houve concorrência.

O aeroporto de Florianópolis foi bem disputado pelas empresas Zurich e Fraport, com onze lances feitos ao longo da 1h30 de leilão. Ao final a vitoriosa foi a Zurich, com lance de 83,3 milhões de reais, contra valor inicial de 53 milhões de reais.

O valor global inicial ofertado pelas empresas pelos quatro aeroportos era de 1,35 bilhão de reais no início do leilão a viva voz e saltou para 1,459 bilhão no fim da disputa.

Pelas regras do certame, o consórcio vencedor seria aquele que oferecer o maior ágio, mas ele incide apenas sobre a parcela à vista de 25% da outorga total de 3,01 bilhões de reais. O ágio deverá também ser pago de imediato e o restante ao longo do prazo da concessão, que é de 30 anos, prorrogáveis por mais cinco, com exceção do aeroporto de Porto Alegre, em que o período é de 25 anos, extensíveis por mais cinco.

Os investimentos esperados ao longo do prazo de concessão totalizam 6,613 bilhões de reais.

O ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco, disse que apesar de apenas três grupos disputarem os aeroportos que serão leiloados haverá concorrência. "Nós vamos ter bons resultados. Nós temos propostas de consórcios com grande conhecimento técnico, são players internacionalmente reconhecidos e nenhum deles é construtora, o que é positivo, pois teremos contrato de concessão e não de construção", disse o ministro ao jornal O Globo.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS