Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

PUBLICIDADE
Solidariedade

Ajude o Rafa a fazer a parte final do tratamento

Para poder fazer a última etapa do tratamento, jovem precisa arrecadar em um mês R$ 50 mil

Arquivo/GES
Rafa precisa de R$ 50 mil para fazer última etapa do seu tratamento
A etapa final do tratamento do jovem Rafael Nunes Borba na Tailândia está programada para o início de abril, mas corre o risco de não acontecer, caso a família não consiga juntar os R$ 50 mil que faltam para que a viagem se concretize. Rafa é portador de uma distrofia genética chamada distrofia muscular de Duchenne. A doença foi descoberta quando o garoto tinha três anos.

São mais de cem distrofias existentes. Dentre todas elas, a considerada número um é a que Rafael possui. Aos 12 anos, o garoto parou de andar. O único tratamento existente no Brasil é a fisioterapia. Na Tailândia, a família encontrou um tratamento experimental com células-tronco. Em 2015, ele fez a primeira viagem para o país asiático e na volta, muitas mudanças foram sentidas.

A primeira delas, e uma das mais comemoradas, foi a diminuição da dor que ele sentia quase que intermitentemente. Na viagem daquele ano, acompanharam o jovem a mãe, Luciana Corrêa Nunes e o pai Luis Carlos Borba.

No ano passado, Rafa viajou com a mãe e a fisioterapeuta Morgana Barbosa Silva. Além de ter mais força no tronco, ele realizou um desejo antigo: voltou a usar tênis, que já não cabiam em seus pés pois estavam atrofiando cada vez mais.

Na volta ao Brasil, seguiu o tratamento com muita fisioterapia. A família tentou um outro tratamento, agora com medicamentos, mas os exames mostraram que não havia compatibilidade genética e foi preciso iniciar uma nova campanha para que ele pudesse fazer a etapa final do tratamento na Tailândia.

Agora, família e amigos correm contra o tempo para que ele possa fazer a viagem, que será acompanhada pelo pai, mãe e fisioterapeuta, até o dia 9 de abril. A ajuda de toda a comunidade é essencial para que a saúde do Rafa siga melhorando.

Campanha nas ruas

Ao longo de todo o ano, pedágios, brechós, venda de camisetas e acessórios foram realizadas pela família e amigos. Nos próximos dias, tudo deve ser intensificado para que seja possível atingir o valor necessário. “Nosso prazo é 9 de abril. Baseado no valor do dólar atual, precisamos de R$ 120 mil para fazer a viagem. O Rafa fica 30 dias na Tailândia, dentro do hospital, acompanhado por profissionais de diversas áreas e faz a última aplicação de células-tronco”, explica a mãe. Na semana passada, em Alvorada, a família fez um brechó. Outra edição deste evento deve acontecer no dia 18 de março. Pedágios também estão programados e devem ocorrer no dia 11 em Alvorada e 25 em Gravataí.

A campanha para ajudar o Rafa está em muitos lugares. Quem quiser fazer depósito em conta, pode acessar através da agência 0478, conta corrente 11505-5, operação 013 da Caixa Econômica Federal em nome de Rafael Nunes Borba.

Pelo Facebook é só acessar a página www.facebook.com/tamojuntorafa.

Na página, estão disponíveis os locais de venda de camisetas, xícaras, adesivos, mouse pad e muito mais.

A família também fez uma rifa que sorteará uma televisão.

Vídeo para ampliar a campanha

Nesta semana, um vídeo vem circulando na Internet para ajudar na campanha. A Peixe Amarelo Produtora conheceu a história do Rafa e entrou na campanha para ajudar. De forma voluntária, reuniu depoimento dos pais e da fisioterapeuta do jovem que contam como é a trajetória dele até aqui e a importância do tratamento. Em quase seis minutos, é possível conhecer os 17 anos de vida e de luta desta família.

Segundo a produtora Bruna Tedeschi Franco, foi através da fisioterapeuta Morgana que eles conheceram a história. “Hoje eu moro em Porto Alegre, mas eu morei minha vida toda em Alvorada. Meus pais têm comércio lá e minha mãe faz fisioterapia com a Morgana, que é a fisioterapeuta do Rafa. Minha mãe sempre ajudou no que pode na campanha também. Eu abri minha produtora faz alguns meses e minha mãe comentou com a Morgana e ela nos pediu para fazer esse vídeo. Já conhecia a história do Rafa e sei de toda a urgência do tratamento, então não pensamos duas vezes em produzir esse vídeo”, conta.

Após uma reunião e dois dias de gravação, o vídeo foi para a Internet. Em dois dias a história teve mais de cinco mil visualizações. “Foi bem emocionante gravar o depoimento dos pais e perceber o amor e a força que eles têm pra seguir nessa luta”, acrescenta.

E a ação já está surtindo efeito! Depois que o vídeo foi publicado, o interesse pela página da campanha #TamojuntoRafa aumentou e algumas doações já apareceram.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS